segunda-feira, 29 de abril de 2013

As mais belas Bibliotecas do Mundo: BIBLIOTECA STRAHOV, PRAGA, REPÚBLICA CHECA

Biblioteca Strahov, Praga, República Checa

Em meados do século XII, um convento premonstratense foi fundado a pedido do imperador Vladislao II. Uma primeira abadia românica foi construída nos anos 1180 e reconstruída várias vezes ao longo dos séculos. No século 17, as relíquias de São Norberto, fundador da ordem, foram transferidas a Praga desde o monastério protestante de Magdeburgo, aumentando assim, de maneira considerável, o prestígio da abadia de Strahov.
Diferente de outros conventos, Strahov escapou a fechamentos e destruições brutais impostas por José II em todo o império no final do século XVIII. Expulsos pelos comunistas, os membros da comunidade premonstratense puderam voltar ao convento apenas depois da Revolução de Veludo.

O interior do recinto possui um encanto bucólico que parece estar fora do tempo: você poderá admirar a Capela de São Roque, construída no reinado de Rodolfo II e a majestosa igreja de Nossa Senhora da Assunção, construída por Anselmo Lurago no século XVIII, com uma bonita decoração de estuque e detalhes barrocos.
A visita da biblioteca barroca é um momento inesquecível: ela está composta por salas de teologia e de filosofia, arqueadas e decoradas com esplêndidos detalhes e estuques, estantes imensas de madeira, obras prima de talha e uma rica colecção de livros do convento. No corredor que conecta as duas salas, está exposto um "armário de curiosidades" com colecções naturalistas.
Os amantes da arte poderão visitar também a galeria de pinturas (Strahovska obrazarna), cuja colecção inclui a famosa « Madona de Strahov » do século XIV.

Abadia de Strahov
Strahovské nádvoří 1/132,
118 Praga 1 - Hradčany (bairro do castelo)
www.strahovskyklaster.cz

Acesso:
Bonde: linha 22, parada « Pohořelec ».

Aberto todos os dias de 9h a 12h e de 13h a 17h.
Fechado no dia 25 de Dezembro.














sexta-feira, 26 de abril de 2013

O Poeta é um fingidor... BIOGRAFIA - PARTE III ( 1921 a 1935)



BIOGRAFIA
( De 1921 a 1935)
PARTE III


[1921]

Funda a Editora «Olisipo», com sede na Rua da Assunção, 58, 2.º. No mesmo ano surge em Lisboa a «Seara Nova», que tem em António Sérgio, Raul Proença, Aquilino Ribeiro e Jaime Cortesão os seus elementos fundadores.
Outubro - Dia 19 é a "noite sangrenta", ocorrendo o assassinato de diversos republicanos.
Dezembro - Publica, na Olisipo, os seus English Poems I e II eEnglish Poems III e a Invenção do Dia Claro de Almada Negreiros.

[1922]

Maio - Pessoa colabora com assiduidade na revista «Contemporânea», de José Pacheco até Outubro. A Editora Olisipo publica a 2ª edição das Canções de António Botto.
Novembro - É fundada a firma F.N. Pessoa com sede na Rua de S. Julião, 52, 1.º. Os sócios prováveis são Augusto Franco, Albano da Silva e Júlio Moura.

[1923]

Fevereiro - A obra Sodoma Divinizada de Raul Leal (Henoch) é publicada pela Olisipo. Logo de seguida (dia 19) é alvo de um ataque cerrado da Liga dos Estudantes de Lisboa.
Março - A obra é apreendida, assim como as Canções de António Botto. Álvaro de Campos reage, publicando Sobre um Manifesto de Estudantes.
Abril - Álvaro de Campos reage, publicando Aviso por Causa da Moral.
Julho - Assina o protesto de intelectuais portugueses contra a proibição censória do Mar Alto de António Ferro. António Botto publica Motivos de Beleza, com uma nota de Pessoa. Dia 21 a mãe e a irmã de Pessoa Henriqueta, vão viver para a Quinta dos Marechais, Alto da Boa Vista em Benfica, deixando Pessoa a viver sozinho. Henrique Rosa vai também viver para a Quinta dos Marechais, por se encontrar doente.

[1924]

Outubro - Sai o primeiro número da revista «Athena», que Pessoa dirige com o pintor Ruy Vaz e para a qual colabora com  vinte odes de Ricardo Reis.

[1925]

Fevereiro - A «Athena» cessa a publicação com o seu número de Fevereiro. Dia 8 falece o General Henrique Rosa.
Março - No dia 17, morre a mãe de Fernando Pessoa. Mário de Saa publica o volume A Invasão dos Judeus, no qual Pessoa é uma das figuras analisadas.
Outubro - A irmã Henriqueta (Teca) e o marido regressam à Rua Coelho da Rocha, depois a filha de ambos ter morrido no Verão deste ano. A razão do regresso à Coelho da Rocha deve ter estado ligada às mortes sucessivas da mãe e do padrasto de Pessoa e da pequena bebé, todas ocorridas na mesma casa.

[1926]

Janeiro - Dia 1 é publicado, em serial, a tradução de Pessoa de A Letra Encarnada. Dia 25 inicia-se a publicação da «Revista de Comércio e Contabilidade», que Pessoa dirige com o seu cunhado, o Coronel Francisco Caetano Dias e para a qual colaborará com diversos artigos.
Abril - Morre a tia-avó Carolina.
Maio - No dia 28 há um golpe militar que põe fim à Primeira República, instaurando a ditadura com Gomes da Costa.
Julho - Novo golpe, por Sinel de Cordes e Óscar Carmona.
Agosto - Pessoa regista a patente para um «Anuário indicador sintético, por nomes e outras quaisquer classificações, consultável em qualquer língua».
Outubro - O diário Sol publica, em serial, a tradução de Pessoa do romance policial O Caso da 5.ª Avenida.

[1927]

Março - Sai o primeiro número da revista «Presença».
Abril - No terceiro número da «Presença», José Régio reconhece em Pessoa o Mestre da nova geração.
Junho - Primeira colaboração de Pessoa na «Presença».
Novembro - A irmã de Pessoa, o cunhado e a sobrinha mudam-se para Évora.

[1928]

Abril - Publica o texto Interregno. António de Oliveira Salazar é nomeado Ministro das Finanças. Pessoa colabora em diversas publicações. Em conjunto com José Pacheco, Mário Saa, António Botto e outros, funda a «Solução Editora».
Maio - Inicia a sua colaboração com O Notícias Ilustrado.
Agosto - Cria o último heterónimo, o Barão de Teive, um fidalgo que cultivava ideias suicidas.

[1929]

Abril-Junho - Publica textos do Livro do Desassossego.
Junho
 - O crítico e amigo de Pessoa, João Gaspar Simões, dedica 20 página do seu livro Temas ao estudo da obra do poeta. É o primeiro estudo crítico sobre a poesia de Pessoa. 
Setembro -
 No dia 2, Fernando Pessoa oferece a Carlos Queiroz, seu amigo e sobrinho de Ophélia, uma fotografia sua que o retratava bebendo um copo de vinho no Abel Pereira da Fonseca. Ophélia acha graça à fotografia e pede uma cópia para si. Fernando Pessoa manda-lhe uma com a dedicatória: "Fernando Pessoa. Em flagrante delitro". Assim se reacende a relação sentimental entre os dois. Data de 11 deste mês, a primeira carta de Pessoa a Ophélia, nesta segunda fase do namoro. É uma carta de resposta à que Ophélia lhe mandara em agradecimento do envio da cópia pedida.
Outubro - Morre, em Tavira, a sua "tia" Lisbela.
Dezembro - Dia 4 envia uma correcção do horóscopo de Aleister Crowley em carta à editora deste, na qual encomenda livros.

[1930]

Janeiro - Dia 11 é a data da última carta a Ophélia.
Setembro -
 No dia 2 chega a Lisboa o Mago Aleister Crowley. Por se ter atrasado por causa do nevoeiro, dispara a Pessoa, que nunca tinha visto antes: "Por que diabo me mandou você um nevoeiro?". A estadia de Crowley é aproveitada para encenar o desaparecimento deste na Boca do Inferno, em Cascais, dia 23.
É um intenso período de criação heterónimica.
Outubro - Dia 5 O Notícias Ilustrado publica um testemunho de Pessoa sobre o "caso Crowley".
Novembro - A irmã de Pessoa, que estava em Évora, regressa a Lisboa.


[1931]

Fevereiro - 
Publica na Presença o VIII poema do "Guardador de Rebanhos".
Março - Data de 21 deste mês a última carta de Ophélia a Pessoa. Dá-se por isso nos primeiros meses de 1931 a efectiva e terminal interrupção da relação sentimental entre os dois.

[1932]

Julho - Dia 5 Salazar é eleito presidente do conselho.
Setembro - 
Dia 16 apresenta uma candidatura ao lugar de conservador-bibliotecário do Museu-Biblioteca Condes de Castro Guimarães, em Cascais, motivado por dificuldades económicas. No entanto não seria ele o escolhido pelo Presidente da Câmara, mas sim o pintor Carlos Bonvalot.
É publicada a obra Alma Errante, com prefácio de Pessoa. A irmã de Pessoa e o marido constroem uma moradia em São João do Estoril, que mais tarde Pessoa visita amiúde.

[1933]

Janeiro - Pierre Hourcade publica traduções de poemas de Pessoa em francês, nos Cahiers du Sud, com uma introdução.
Março-Abril - Prepara o livro de Sá-Carneiro, Indícios de Ouro.Julho - Publica o poema A Tabacaria, na Presença.
Atravessa nova crise psíquica. No entanto, é um período de grande criatividade crítica e ortónima.
Outubro - António Ferro é nomeado director do Secretariado de Propaganda Nacional, que foi criado em Setembro.

[1934]

Maio - Última colaboração com a Presença. Julho - Inicia o projecto de escrever quadras "populares". Até Agosto de 1935 escreve 350.
Outubro - Saem alguns exemplares de Mensagem, de modo a permitir que a obra concorra ao prémio do SPN. No dia 10, Fernando Pessoa deixa um exemplar autografado da Mensagem no hotel onde estava hospedada a poeta Brasileira Cecília Meireles. Pessoa tinha marcado um encontro com ela, mas falhou justificando-se com um horóscopo desfavorável. 
Dezembro - Dia 1 (dia da Restauração) é o dia escolhido para o lançamento oficial de a Mensagem.
Faz o prefácio ao livro Quinto Império, de Augusto Ferreira Gomes.

[1935]

Janeiro - Dia 13 escreve uma carta extensa a Adolfo Casais Monteiro onde explica a génese dos heterónimos.
Fevereiro - Dia 4 defende as associações secretas num artigo publicado no «Diário de Lisboa».
Na Primavera vem a Portugal, em viagem de núpcias, depois de quinze anos de ausência, o irmão Luís Miguel. Pessoa deixa-se fotografar com a família em diversas ocasiões, nomeadamente diante do Mosteiro dos Jerónimos em Belém.
Outubro - Dia 21 Pessoa escreve o último poema de Álvaro de Campos: "Todas as cartas de amor são ridículas".
Novembro - Dia 13 escreve o último poema de Ricardo Reis ("Vivem em nós inúmeros"). Dia 19 escreve o último poema datado em português: "Há doenças piores que as doenças". Dia 22 escreve os últimos poemas datados em inglês ("The happy sun is shinning") e francês ("Le sourire de tes yeux bleus"). Por volta do dia 27 ou 28, Pessoa encontra-se pela última vez com João Gaspar Simões e Almada Negreiros. Dias antes, Pessoa tinha tido uma grave crise hepática que o fizera perder os sentidos na casa de banho da casa da Rua Coelho da Rocha, tendo o médico avisado que mais um cálice de aguardente seria fatal. No dia 28 é internado no Hospital de S. Luís dos Franceses, onde lhe é diagnosticada uma cólica hepática. Ao morrer pede os óculos. Morre no dia 30, ás 20 horas e trinta minutos, estando presentes o Dr. Jaime Neves e os amigos Francisco Gouveia e Vítor da Silva Carvalho.
Dezembro - No dia 2 é levado a enterrar o seu corpo. Ás onze horas o caixão saiu da capela do Cemitério dos Prazeres. Repousará no jazigo da sua avó (Rua 1, Direita, n.º 4371). Acompanhavam a procissão fúnebre amigos do poeta, entre os quais: Luís de Montalvor, António Ferro, Raul Leal, Alfredo Guisado, Almada Negreiros, João Gaspar Simões, António Botto e Carlos Queiroz. Representava a família o Capitão Caetano Dias. Junto do jazigo, Luís de Montalvor proferiu um breve elogio fúnebre, improvisado e sentido. A noticia necrológica da morte de Fernando Pessoa foi publicada no «Diário de Notícias» de 3/12/1935.

Na ocasião dos cinquenta anos da sua morte (1985), e no dia do seu aniversário, 13 de Junho, os seus restos mortais foram transladados para o Mosteiro dos Jerónimos.

Imagem do Dia... 39º Aniversário do 25 de Abril de 1974


Centenas de pessoas participaram na manifestação comemorativa do 39.º aniversário da revolução de 25 de Abril, esta tarde na Avenida da Liberdade.

terça-feira, 23 de abril de 2013

Às voltas com o Desporto: Manchester United celebra a conquista do título na Liga inglesa de futebol - 2012/13



Manchester United celebra a conquista do título na Liga inglesa de futebol

O Manchester United celebrou hoje o título na Liga inglesa de futebol com um 3-0 ao Aston Villa, numa noite de inspiração de Robin Van Persie, autor dos três golos dos "red devils".


No "palco dos sonhos", a noite de sonho pertenceu ao avançado holandês, que precisou apenas de 31 minutos para completar um "hat-trick" decisivo para o 3-0 final. Os adeptos da casa ainda se estavam a sentar quando Van Persie, assistido pelo galês Ryan Giggs, inaugurou o marcador, aos dois minutos, voltando a repetir a dose 11 minutos depois, desta vez servido por Wayne Rooney.

O holandês voltou a superiorizar-se à defesa adversária aos 33 minutos, noutro golo construído pela experiência de Giggs, e garantiu o estatuto de maior goleador da Premier League, com 24 golos. Mas o espetáculo proporcionado pelo avançado que se transferiu do Arsenal para os "red devils" esta temporada não se resumiu ao "hat-trick", com Van Persie a salvar sobre a linha um golo certo do Aston Villa, quando estavam decorridos 50 minutos do encontro da 34. jornada.

A vitória do Manchester United podia ter sido ainda mais dilatada se Kagawa, de baliza aberta, não tivesse falhado uma oportunidade clara, rematando por cima, aos 77 minutos.

O 3-0 ao Aston Villa, em Old Trafford, com Nani no banco, confirmou um título já anunciado, com os primeiros do campeonato inglês a confirmarem uma vantagem de 16 pontos inalcançável para o segundo classificado, o Manchester City, que tem um jogo em atraso.

O United conquista assim pela 20. vez o campeonato, a quatro jornadas do final da Premier League, graças ao seu número 20.


Fonte: SIC Notícias

segunda-feira, 22 de abril de 2013

O Poeta é um fingidor... BIOGRAFIA - PARTE II ( 1901 a 1920)

 
BIOGRAFIA
( De 1901 a 1920)
PARTE II
 
[1901]


Junho - É aprovado com distinção no seu primeiro exame, o "First Class School Higher Certificate" da Universidade do Cabo da Boa Esperança (universidade que existia apenas no papel, não tendo instalações físicas). Neste mesmo mês, no dia 25, morre a sua irmã, Madalena Henriqueta. Começa nestes meses a escrever as primeiras poesias em inglês.
Agosto - No dia 1, vem a Portugal, com a família, de férias. No navio em que viajam, o paquete König, vem o corpo da sua irmã falecida. O vapor passa por locais exóticos como Lourenço Marques, Zanzibar, Dar-es-Salam, Port Said e Nápoles. Em Lisboa mora com a família em Pedrouços e depois na Avenida de D. Carlos I, n.º. 109, 3º. Esquerdo.
Outubro - Vai a Tavira visitar a "tia" Lisbela Pessoa Machado e outros parentes do lado paterno.

[1902]


Maio - Dia 2, vai com o padrasto, a mãe e os irmãos à Ilha Terceira, nos Açores, onde vive a família materna. Fica 9 dias (7 a 16 de Maio). Escreve a poesia "Quando ela passa" num jornal doméstico que ele próprio cria e dirige chamado A Palavra.
Junho - Dia 26, regressam todos a Durban: a mãe, o padrasto, os irmãos e a criada Paciência que viera com eles. Fernando Pessoa fica em Lisboa.
Setembro - Fernando Pessoa volta sozinho à África do Sul no vapor alemão Herzog, no dia 19.
Outubro - Matricula-se na Commercial School (que funciona em horário nocturno). Tenta escrever romances em inglês.

[1903]

Janeiro - Dia 17, nasce, em Lisboa, o seu irmão João Maria.
Novembro - Culminam os estudos de Fernando Pessoa, que estudava de noite na Commercial School contemporaneamente estudando disciplinas humanísticas de dia, no exame para admissão à Universidade do Cabo da Boa Esperança ("Matriculation Examination"). A sua classificação é medíocre, mas entre 899 candidatos é-lhe atribuído o prémio «Queen Victoria Memorial Prize» pelo melhor ensaio de estilo inglês. O ensaio perdeu-se, mas seria sobre um de 3 tópicos: a) minha concepção do homem e da mulher instruídos, b) superstições comuns, c) jardinagem na África do Sul.

[1904]

Fevereiro - Fernando Pessoa ingressa novamente na Durban High School onde frequenta o equivalente a um primeiro ano universitário. Aprofunda a sua cultura, lendo os clássicos ingleses e latinos. Escreve poesia e prosa em inglês, surgindo os heterónimos Charles Robert Anon e H. M. F. Lecher.
Agosto - Nasce a sua irmã Maria Clara, no dia 16.
Dezembro - Publica no jornal do liceu um ensaio crítico com o títuloMacaulay. Dia 16 faz o «Intermediate Examination in Arts» na Universidade, com bons resultados (os melhores da província do Natal). Mas com este exame terminariam nos seus estudos na África do Sul.

[1905]


Agosto - No dia 20 parte sozinho para Lisboa a bordo do vapor Herzog. Seria agora um regresso definitivo à sua pátria, na verdadeira acepção de que regressava à terra de seu pai. Em Lisboa fica algum tempo na casa da Tia Avó Maria Cunha, em Pedrouços. Depois vai viver com a Tia Anica, irmã da sua mãe, na Rua de São Bento, n.º 19, 2.º Esquerdo. Continua a escrever poesia em inglês.
Outubro - No dia 2 começa a frequentar o Curso Superior de Letras em Lisboa.

[1906]

Começa a escrever páginas para um diário que será sempre errático e ocasional.
Maio-Agosto - Está doente, falhando os exames de Julho na Universidade.
Setembro - No final do mês matricula-se novamente na Universidade, no 1.º ano. Tem grande empenho no estudo da cadeira de filosofia.
Outubro - No início do mês a mãe e o padrasto vêm a Lisboa de férias e Fernando vai viver com eles na Calçada da Estrela, n.º 100, 1.º.
Dezembro - Morre, em Lisboa, no dia 11, a sua irmã Maria Clara.

[1907]

Surge o heterónimo Jean Seul.
Abril - Há uma greve académica que paralisa o Curso. Segundo alguns especialistas Pessoa terá desempenhado um papel de alguma relevância.
Maio - Com o regresso a Durban da sua família, Fernando Pessoa vai viver com a Avó Dionísia e as duas Tias Avós maternas na Rua da Bela Vista à Lapa, n.º 17, 1.º. Entretanto desiste da Faculdade e começa a ler os filósofos gregos e alemães, bem como os decadentes franceses. No dia 10, João Franco instaura a ditadura em Portugal.
Junho - Pessoa abandona o Curso Superior de Letras.
Setembro - Começa a trabalhar na R.G. Dun. No dia 6, morre a sua avó Dionísia, que lhe deixa uma pequena herança.
Pessoa recusa a oferta de bons lugares, porque as obrigações de um horário fixo o impediam de realizar a sua obra literária.

[1908]


Fevereiro - Dia 1 são assassinados o Rei D. Carlos e o Príncipe herdeiro, quando regressavam de Vila Viçosa num carro aberto.
Descreve, em notas autógrafas, as influências que começa a sentir de autores portugueses como Antero, Junqueiro, Nobre e Cesário Verde.
Setembro - Dia 6 começa a escrever o Fausto (é o primeiro fragmento datado, pelo que o início pode ser anterior).


[1909]

Agosto
- Pessoa vai a Portalegre comprar material para montar uma tipografia em Lisboa.
Novembro - É instalada de facto, na Rua da Conceição da Glória, 38 e 49, a «Empresa Ibiz - Tipográfica e Editora», que no entanto mal chega a funcionar. Pessoa vive na Rua da Glória, n.º 4, r/c. Começa a trabalhar como correspondente estrangeiro para escritórios comerciais.

[1910]


Escreve poesia e prosa, em português, inglês e francês. Sofre influência dos simbolistas franceses e de Camilo Pessanha.
Outubro - No dia 5 é proclamada a República.
Dezembro - É fundada, no Porto, a revista «A Águia».


[1911]


Muda-se para o Largo do Carmo, 18-20, 1.º.
Maio - Pessoa aceita traduzir para português uma Antologia de Autores Universais, dirigida por um editor americano e destinada a ser publicada no Brasil.
Junho - Muda-se para a Rua Passos Manuel, 24, 3.º onde vive alguns meses com a sua tia "Anica".
Setembro - Dia 12 o seu padrasto é nomeado cônsul-geral de Portugal na África do Sul e a família muda-se para Pretória. Dia 21 morre a sua tia-avó Maria, na cada da tia "Anica".


[1912]

Janeiro - É fundada, no Porto, o movimento da «Renascença Portuguesa». A «A Águia», dirigida por Teixeira de Pascoaes, torna-se um órgão desse movimento.
Fevereiro - Instala-se numa morada da Rua Passos Manuel.
Abril - Estreia literária de Pessoa, com a publicação em «A Águia» do seu artigo A Nova Poesia Portuguesa Sociologicamente Considerada. Seguido em Maio por Reincidindo... Os dois artigos criam uma grande polémica.
Outubro - Dia 13 Sá-Carneiro parte para Paris, onde se inscreve na Sorbonne. Inicia-se a correspondência entre os dois amigos.Novembro - Pessoa publica, em três números seguidos de «A Águia», o ensaio A Nova Poesia no seu Aspecto Psicológico. No mesmo mês muda-se para a casa da Tia Anica, na Rua de Passos Manuel.

[1913]

Período intenso de criação. Colabora em diversas publicações, como a revista Teatro. Escreve Epithalamium (em Março), Hora Absurda, o drama estático O Marinheiro e Na Floresta do Alheamento(em Agosto). Este ano é também importante como período de intensa discussão e tertúlia com os jovens artistas da geração de Pessoa, que costumavam frequentar cafés em Lisboa.

[1914]


Sá-Carneiro regressa a Portugal. Pessoa continua a sua colaboração com diversas publicações.
Abril - Muda-se para a Rua Pascoal de Melo, 119, 3.º dto.
Março - O dia 8 é para Pessoa o seu «Dia Triunfal». Como ele relata a Adolfo Casais Monteiro, na famosa carta de 13/1/1935 em que fala da génese dos heterónimos: "(...) acerquei-me de uma cómoda alta, e tomando um papel, comecei a escrever, de pé, como escrevo sempre que posso. E escrevi trinta e tantos poemas a fio, numa espécie de êxtase cuja natureza não conseguirei definir. Foi o dia triunfal da minha vida e nunca poderei ter outro assim.". Surgem no êxtase, primeiro o Guardador de Rebanhos de Alberto Caeiro, «O Mestre»; depois a Chuva Oblíqua de Fernando Pessoa; seguido do aparecimento dos discípulos Ricardo Reis e Álvaro de Campos (este com a Ode Triunfal).
Junho - Surge a primeira poesia assinada por Ricardo Reis.
Fernando Pessoa muda-se com a Tia Anica para a Rua Pascoal de Melo. Escreve fragmentos da Teoria da República Aristocrática. No Outono, começam as reuniões na cervejaria Jansen, à Rua Victor Cordon, do grupo de que sairá «Orpheu».
Novembro - A Tia Anica parte para a Suiça, com a filha e o genro. Pessoa abandona a casa da Rua Pascoal de Melo, atravessando de seguida uma crise depressiva. Escreve para o Livro do Desassossego de Bernardo Soares, um seu outro heterónimo. Acaba por romper com o grupo da «Renascença Portuguesa». Aluga um quarto na Rua D. Estefânia, 127, r/c dto (na cada de uma engomadeira).

[1915]

Março - No dia 24, sai o primeiro número de «Orpheu», com colaborações importantes de Pessoa, dando inicio concreto ao movimento modernista em Portugal (sobretudo pela inclusão da "Ode Triunfal" de Álvaro de Campos neste número).
Abril - Colabora em «O Jornal», na rubrica Crónica da vida que passa, desde dia 4 a dia 21.
Maio - Publica o artigo O Preconceito da Ordem. Primeira versão de Antinous. A dia 14 o regime de Pimenta de Castro cai.
Junho - Saí o segundo, e último, número de «Orpheu». Pessoa é agora director.
Julho - «A Capital» publica um artigo contra o grupo de «Orpheu». Campos retalia com uma carta dirigida ao director do jornal em que ironiza com a queda de Afonso Costa de um eléctrico e coloca Pessoa em perigo de vida (a intervenção de Almada Negreiros será essencial para que nada lhe tenha acontecido).
Setembro - Sá-Carneiro, já novamente em Paris, comunica a Pessoa que não há dinheiro para o número 3 de «Orpheu» poder ser publicado. As provas deste número, no entanto, chegam a ser completadas. Completa a tradução do Compêndio de Teosofia de C. W. Leadbeater.
Dezembro - A mãe de Pessoa adoece, em Pretória, com uma apoplexia. Surge a personalidade literária e astrólogo Raphael Baldaia.

[1916]


Março - Pessoa experimenta com o fenómeno da escrita automática. No dia 9 a Alemanha declara guerra a Portugal.
Abril - Publica o poema Hora Absurda. No dia 26, ás 8 horas e 20 minutos, Sá-Carneiro suicida-se em Paris, no Hotel de Nice, ingerindo 5 frascos de estricnina. As causas do suicídio estariam certamente relacionadas - mesmo que essa fosse apenas a maior das causas - com as dificuldades económicas que o afligiam. O último bilhete para Pessoa diz: "Um grande, grande adeus do seu pobre Mário de Sá-Carneiro". Pessoa, numa carta à Tia Anica datada de 24 de Junho de 1916, diz ter sentido mediunicamente a grande crise por que passava Sá-Carneiro em Paris.
Maio - Pessoa muda agora habitualmente de habitação. Frequenta quartos alugados na Rua Antero de Quental, na
Outubro/Novembro - Mora na Rua Almirante Barroso, num quarto contíguo à Leitaria Alentejana.
Dezembro - Mora na Rua Cidade da Horta. Publica os Passos da Cruz.

[1917]


Portugal intervém na Grande Guerra, suscitando comentários escritos de Pessoa.
Abril - Almada Negreiros anuncia o futurismo ás massas, numa conferência, no dia 14, no Teatro República intitulada Ultimatum futurista ás gerações portuguesas do século XX.
Maio - No dia 12, o número 3 da revista "Orpheu" é terminado, mas não chega a ser publicado, por falta de dinheiro.
Junho - Dia 6 recebe uma carta de rejeição de um editor inglês, a quem tinha enviado o livro "The Mad Fiddler".
Julho/Agosto - Funda a firma F.A. Pessoa. Os seus sócios são A. Ferreira Gomes e o Engenheiro Geraldo Coelho de Jesus, Trata-se de um escritório de comissões e consignações na Rua de S. Julião, 45, 2.º.
Novembro - Pessoa colabora no «Portugal Futurista». Passa a viver na Rua Bernardim Ribeiro, 17, 1.º.
Dezembro - Dia 5 há um golpe de estado e Sidónio Pais instaura uma nova ditadura.

[1918]

Abril - Dia 29 morre Santa-Rita Pintor (nome por que era conhecido o pintor Guilherme de Santa-Rita, amigo de Pessoa, um dos elementos precursores do modernismo - a que Pessoa também pertencia por direito próprio - em Portugal). A sua obra é queimada, por respeito à sua última vontade.
Maio - O escritório de representações é trespassado.
Julho - Publica, às suas custas, Antinous e 35 sonnets e envia-os a diversos editores ingleses.
Setembro - A crítica inglesa analisa os poemas ingleses de Pessoa. O «Times» e o «Glasgow Herald» publicam artigos de crítica sobre os volumes Antinous e 35 Sonnets.
Outubro - Morre Amadeo de Sousa Cardoso, amigo de Pessoa, vitimado pela gripe espanhola.
Dezembro - No dia 14 é assassinado em Lisboa o Presidente Sidónio Pais, no qual Pessoa tinha visto o novo Sebastião. Depois da morte de Sidónio, Pessoa passa a considerá-lo como mais um dos falsos D. Sebastião na história nacional. Abre-se, com o assassinato, uma grave crise política. Pessoa mora na Rua Santo António dos Capuchos.

[1919]

Pessoa escreve os Poemas Inconjuntos de Alberto Caeiro, que vão aparecer com a data fictícia de 1913-1914, por coerência diacrónica com a biografia do heterónimo, morto em 1915.
Outubro - Morre no dia 5 o seu padrasto, em Pretória.
Pessoa, morando na Avenida Gomes Pereira, dedica-se à ensaística política. Publica na «Acção», os artigos Como Organizar Portugal e A Opinião Pública.
Agosto - Muda-se para a Rua Capitão Renato Baptista, 3, r/c esq.
Novembro - Conhece, no escritório «Félix, Valladas & Freitas», Ophélia Queiroz, que ia a responder a um anúncio. Pessoa era primo e amigo do sócio Freitas e por isso frequentava o escritório. Muda-se para a Av. Gomes Pereira, em Benfica.

[1920]

Janeiro - Publica na revista inglesa The Athenaeum o poema "Meantime".
Fevereiro - Dia 20 os três meios-irmãos e a mãe de Pessoa embarcam para Lisboa.
Março - É datada de 1 de Março a primeira carta, de resposta, de Fernando Pessoa a Ophélia Queiroz. O namoro começa com esta carta, mas no entanto Pessoa, ao longo de algumas semanas, desde o encontro inicial, já fazia a corte a Ophélia, tendo-a inclusive beijado "apaixonadamente, como um louco". Dia 30, a mãe e os meios-irmãos de Pessoa regressam a Portugal. Pessoa vai viver com eles, dia 29, para a Rua Coelho da Rocha, 16, 1.º. Por esta altura, Pessoa concorre, com o nome de A. A. Crosse, nos concursos do «Times», talvez tentando o golpe de sorte que lhe daria os recursos necessários para casar com Ophélia.
Maio - Os meios-irmãos Luís e João partem para Inglaterra.
Outubro - Atravessa uma grande crise psíquica. Pensa mesmo em internar-se.
Novembro - Interrompe a sua relação com Ophélia. Pessoa diz na carta de ruptura, datada de 29 de Novembro de 1920, que o seu destino pertence a "outra Lei", "subordinado (...) à obediência a Mestres que não permitem nem perdoam".

sexta-feira, 19 de abril de 2013

À Volta com a Vida: Cavaco Silva esquece José Saramago na feira do livro de Bogotá (É esta "pequenez" humana que nos distingue de outros países, NEGATIVAMENTE, claro!)



Cavaco Silva esquece José Saramago na feira do livro de Bogotá

Durante a inauguração da feira do livro em Bogotá, Cavaco Silva gerou mal-estar ao não referir o nome do único vencedor do Prémio Nobel da Literatura

O Presidente da República, Cavaco Silva, marcou, esta quarta-feira, 17, presença na inauguração da Feira do Livro de Bogotá (FILBO), da qual Portugal é, nesta 26ª edição, convidado de honra.

Durante o discurso de inauguração do pavilhão português vários nomes de grandes escritores portugueses foram lembrados. Cavaco Silva referiu-se a Camões como o maior dos poetas e o chefe de Estado da Colômbia, João Manuel Santos, lembrou Fernando Pessoa.

O que está a gerar mal-estar entre a comunidade literária nacional (parte dela representada e presente na FILBO) foi a ausência de qualquer referência, por parte de Cavaco Silva, a José Saramago, o único Nobel português da Literatura.

A programação do pavilhão português vai ficar marcada por espectáculos, debates, sessões de cinema, exposições entre outros e por lá vão passar cerca de 23 escritores nacionais.


Fonte: VISÂO

À Volta com a Vida: Christine Lagarde convocada pela Justiça francesa (Mas afinal existe alguém HONESTO?)




Christine Lagarde convocada pela Justiça francesa


Diretora do FMI foi convocada pelo Tribunal de Justiça da República francesa e poderá ser acusada por alegado favorecimento de 403 milhões de euros a Bernard Tapie. (Lembram-se, foi Presidente do MARSELHA)


Christine Lagarde vai responder perante o tribunal por ter recorrido a uma arbitragem privada para resolver um intrincado contencioso entre o Banco Crédit Lyonnais e Bernard Tapie, um polémico homem de negócios que apoiou o ex-Presidente Nicolas Sarkozy depois de ter apoiado o socialista François Mitterrand, com o qual chegou a ministro.

Devido à decisão da então ministra francesa da Economia e Finanças (cargo que ocupou de 2007 a 2011), Bernard Tapie, também ex-presidente do clube de futebol de Marselha e atual proprietário de um grupo de imprensa regional no sul da França, recebeu 403 milhões euros de indemnizações (com juros incluídos) da parte do Estado francês.

A intervenção de Christine Lagarde neste caso ocorreu quando os tribunais normais se inclinavam para não conceder a Tapie as somas que ele exigia.


Tribunal de exceção


O anúncio oficial da sua convocação por "cumplicidade em falsificações e desvio de fundos públicos" foi feito hoje e a diretora do FMI deverá ser interrogada na segunda quinzena de maio. Poderá então ser formalmente acusada.

O Tribunal de Justiça da Repùblica é uma instituição judicial de exceção, a única habilitada a julgar membros do Governo francês por delitos cometidos no exercício das suas funções - é composto por 15 juizes, 12 deputados e senadores e três magistrados profissionais.

Fonte: EXPRESSO Online

quinta-feira, 18 de abril de 2013

O Poeta é um fingidor... BIOGRAFIA - PARTE I ( 1888 a 1900)



BIOGRAFIA
( De 1888 a 1900)
PARTE I


[1888]


Junho - No dia 13, nasce Fernando António Nogueira Pessoa, às 15:22pm (hora aproximada). É portanto do signo de Gémeos. O parto ocorre no quarto andar esquerdo do n.º 4 do Largo de São Carlos em Lisboa. Os seus pais são Maria Magdalena Pinheiro Nogueira, natural da Ilha Terceira, Açores, de vinte e seis anos e Joaquim de Seabra Pessoa, natural de Lisboa, de trinta e oito anos, funcionário público do Ministério da Justiça e crítico musical do "Diário de Notícias". Vivem com eles a avó Dionísia, doente mental e duas criadas velhas, Joana e Emília.


Julho - Fernando Pessoa é baptizado no dia 21 na Igreja dos Mártires, no Chiado, em Lisboa. Os seus padrinhos são a sua Tia Anica (D. Ana Luísa Pinheiro Nogueira, sua tia materna) e o General Chaby. A razão porque lhe é dado o nome de Fernando António está relacionada com dois factores: 1º O dia do seu nascimento, dia 13 de Junho, é dia tradicionalmente consagrado a Santo António na cidade de Lisboa. 2º Os Pessoas reclamavam uma ligação genealógica a Fernando de Bulhões, que viria a ser companheiro de São Francisco de Assis com o nome de Frei António.

[1893]

Janeiro
- Nasce o irmão Jorge.

Maio a Julho - De 19 de Maio a 3 de Julho, Pessoa vai com o pai, já doente, para o Hotel Progresso em Caneças, para tratamentos. Ficando o pai pior, regressa a Lisboa dia 3 de Julho, só vendo depois o pai no dia em que ele veio morrer a casa. Ás 5 horas da manhã do dia 13, Joaquim de Seabra Pessoa, seu pai, morre vitimado por tuberculose, em Lisboa. A noticia necrológica é publicada no «Diário de Notícias» de 24 de Julho de 1893.

Outubro a Novembro - A mãe de Pessoa é obrigada a fazer leilão de parte da mobília a fim de se mudar para uma casa mais modesta, o terceiro andar do n.º 104 da Rua de São Marçal, em Lisboa.

[1894]

Janeiro
- No dia 2, morre o seu irmão Jorge, que ainda não fizera um ano.

Outubro - A mãe de Fernando Pessoa conhece o comandante João Miguel Rosa, (que virá a ser cônsul de Portugal em Durban, África do Sul).

Dezembro - A avó de Pessoa, Madalena Xavier Pinheiro vem viver com a família para Lisboa (saindo de Angra do Heróismo).
Neste mesmo ano Pessoa cria o seu primeiro heterónimo, Chavalier de Pas, facto relatado pelo próprio a Adolfo Casais Monteiro, numa célebre carta de 13 de Janeiro de 1935 em que fala longamente sobre a origem dos heterónimos.

[1895]


Julho - Tem a data do dia 26 a sua primeira poesia, uma quadra intitulada À minha querida mamã. O comandante João Miguel Rosa parte para a África do Sul.

Dezembro - A mãe de Pessoa casa por procuração, no dia 30, na Igreja de São Mamede em Lisboa, com o comandante João Miguel Rosa, que nesta altura é capitão do porto de Lourenço Marques, em Moçambique.

[1896]


Janeiro - Dia 5 a avó materna de Pessoa regressa à Ilha Terceira. No dia 7, é concedido passaporte à mãe e a Fernando Pessoa. Partem dia 20 para a África do Sul, na companhia de um tio-avô, Manuel Gualdino da Cunha. Viajam no navio Funchal até à Madeira e depois (dia 31) no paquete Inglês Hawarden Castle até ao Cabo da Boa Esperança.

Novembro - No dia 27, nasce a irmã de Pessoa, Henriqueta Madalena.

[1897]


Neste ano, Pessoa faz a instrução primária na escola de freiras irlandesas da West Street. Neste mesmo instituto, faz a primeira comunhão.

[1898]


Outubro - No dia 5, morre a sua avó materna. Dia 22, nasce a sua irmã Madalena Henriqueta.


[1899]


Abril - Ingressa na Durban High School no dia 7, onde permanecerá três anos. Revela-se um bom aluno. É provável que tenha, durante este período, sofrido a influência do director do liceu, W. H. Nicholas, que era um grande conhecedor da literatura inglesa.
Neste mesmo ano, cria o heterónimo Alexander Search.


[1900]


Janeiro - Dia 11, nasce o irmão Luís Miguel, conhecido como Lhi.

Junho - Ophélia Queiroz, a sua única paixão conhecida, nasce no dia 14, em Lisboa.


sexta-feira, 12 de abril de 2013

À Volta com a Vida: INTERIORIZAÇÃO



INTERIORIZAÇÃO

Hoje doí-me o corpo todo. Às vezes imagino como vai ser a minha morte, talvez lenta, talvez repentina, essa ideia não me sai da cabeça. O desenrolar deste pensamento provoca em mim uma agonia atroz, uma aceleração do fluxo sanguíneo e de seguida uma forte dor de cabeça. Já pensei se será real estas alterações do metabolismo, apenas porque a mente se fecha num determinado pensamento e refugia-se em aspectos dilacerantes, como a morte e a sua angústia. Muitas vezes pondero se estou à beira da loucura, mas pergunto, o que é a loucura? São pensamentos reveladores da opressão humana? Ou serão apenas inícios de uma vida perdida na imensa constelação, que é o universo rodeado de planetas, estrelas e galáxias?

Autor: José Alexandre Barata

quinta-feira, 11 de abril de 2013

Às voltas com a política: Soltaram o Gaspar (Excepcional)


ARTIGO DE OPINIÃO DE:

VIRIATO SOROMENHO-MARQUES
(Professor Catedrático da Faculdade de Letras de Lisboa)


Soltaram o Gaspar


O ministro Vítor Gaspar pertence a uma categoria curiosa de criaturas, que qualquer ministério ou grande empresa deve guardar, cuidadosamente, num gabinete de estudos. Consegue ignorar o mundo ao ponto de criar modelos imaginários extremos, que tendem para delírios conceptuais, desprovidos de quaisquer laços materiais ou emocionais com a realidade objectiva. Num gabinete de estudos, uma pessoa como Gaspar ajuda a estabelecer limites, a afastar hipóteses, a calibrar escalas. Serve como os canários nas minas, para avisar da proximidade de gases tóxicos. Ou, como os daltónicos, que os britânicos usavam na RAF para bombardear alvos, devido à conformidade da sua visão com o preto e branco das fotografias da espionagem aérea. Qualquer tese será provavelmente mais válida na proporção directa do afastamento em relação aos delírios de Gaspar. Como todos os produtos perigosos, Gaspar será útil, desde que usado com contenção, em doses não letais. O grande problema é que, com este governo, Gaspar saiu da zona de segurança e ameaça transformar Portugal num campo de teste para armas de destruição maciça. Restaurar o sistema imunitário que protege o país dos desvarios de Gaspar é uma urgência. Com Gaspar à solta, o país arrisca-se a ser sacrificado no altar da explosão da Zona Euro. Essa explosão vem a caminho. Mas é fundamental que o "ground zero" não se chame Portugal.



Fonte: Diário de Notícias

À Volta com a Vida: Vaticano faz downloads piratas de filmes, incluindo pornografia



Vaticano faz downloads piratas de filmes, incluindo pornografia

Na pequena Cidade do Vaticano também se fazem downloads piratas de filmes, séries e até conteúdos pornográficos... Confira a lista dos principais downloads no Vaticano.

O site Torrent Freak decidiu analisar os downloads da cidade do Vaticano (que oficialmente é a sede da Igreja Católica) e chegou a conclusões surpreendentes acerca dos downloads piratas de filmes e pornografia. É que das 800 pessoas que moram na cidade cerca de 700 estão ligadas à Igreja Católica sendo estes cardeais, diplomatas da Santa Sé e membros da Guarda Suíça de acordo com o site oficial do Vaticano.

Segundo o site Torrente Freak, o Vaticano é um local pequeno e por isso mesmo os dowloands também são poucos. Mas o "surpreendente" não foram os downloads das várias séries como "Touch" e "The Americans" ou dos programas televisivos e filmes mas sim os vários conteúdos pornográficos, entre eles um filme pornográfico com conteúdo sado-masoquista.

Citada pelo Huffington Post, Debra Haffner, do Instituto Religioso, disse não estar surpreendida com as descobertas e que segundo um inquérito do instituto a líderes religiosos "progressistas", "um em cada cinco relatou intencionalmente visitar sites com conteúdo de sexo explícito nos últimos seis meses".



Fonte: Revista VISÃO

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Imagem do Dia... Abertura de uma cratera em Marvão, Alto Alentejo



O excesso de água nos solos poderá estar na origem do fenómeno geológico ocorrido em Marvão, Alto Alentejo, que resultou na abertura de uma cratera com cerca de 100 metros de profundidade e 17 de diâmetro.


Fonte: Agência LUSA

À Volta com a Economia: Nobel da Economia chama "sádicos" à troika



Nobel da Economia chama "sádicos" à troika
(Este também deve ser comunista ou do Bloco....)


Paul Krugman defende que a austeridade não tem qualquer impacto sobre os spreads pagos por Portugal, pelo que a austeridade não tem razão de ser.


Os membros da troika são "sádicos" a quem foi dada "licença para continuar a provocar dor". Palavras do Nobel da Economia, Paul Krugman, que volta a criticar a austeridade imposta a países sob resgate, como Portugal.
No seu blogue no "The New York Times" , Krugman justifica as críticas procurando demonstrar que, ao contrário do que defende a troika (União Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional), não são as medidas de austeridade que asseguram os baixos spreads (margem de lucro) nos empréstimos concedidos a Portugal.

Para Paul Krugman, "os baixos spreads não têm qualquer relação com a austeridade". E explica porquê: "A redução dos spreads, face à Alemanha, pagos por cada país, são totalmente explicados pelo seu valor no pico da crise. Não existe qualquer indício de que as políticas sejam relevantes".

No entanto, acrescenta Krugman, "a Comissão Europeia congratula-se pelos baixos spreads - que são, afinal, a única boa notícia que têm para dar durante três anos de austeridade - e defendem que iriam embora se aliviassem o sofrimento".



Fonte: Expresso Online

segunda-feira, 8 de abril de 2013

As mais belas Bibliotecas do Mundo: Biblioteca Cornell School, Nova York, EUA


Biblioteca Cornell School, Nova York, EUA

Local: Ithaca, Nova Iorque, EUA
Fundada em:
1887

Tipo: Biblioteca universitária
Nº aproximado de itens: 700.000

Nota: Restrita a alunos, professores e funcionários. Os visitantes com necessidades de investigação estão autorizados a usar as colecções da biblioteca, desde que o uso das mesmas não entre em conflito com as necessidades de membros da comunidade de Cornell.

Mais informações em:  
http://www.lawschool.cornell.edu/library/index2.cfm