sexta-feira, 29 de junho de 2012

À Volta com a Economia: Marcelo Rebelo de Sousa defende alargamento do prazo do resgate



Marcelo Rebelo de Sousa defende alargamento do prazo do resgate
 
"Se fosse primeiro-ministro fazia tudo para alongar o prazo do programa de ajuda externa, agora que se diz que a Grécia vai alongar o prazo", afirmou o conselheiro de Estado.

O conselheiro de Estado Marcelo Rebelo de Sousa defendeu hoje que a "prioridade das prioridades" deve ser fazer tudo para "alongar" o prazo do programa de ajuda externa, defendendo que que não deve surgir mais austeridade "por nenhum sítio".

À margem da apresentação da obra "Tratado de Lisboa - Anotado e Comentado", a primeira anotação em língua portuguesa aos tratados europeus, no Palácio da Bolsa, no Porto, Marcelo Rebelo de Sousa foi questionado pelos jornalistas sobre a possibilidade de mais medidas de austeridade, tendo considerado que isso não seria desejável.

"Se fosse primeiro-ministro fazia tudo para alongar o prazo agora que se diz que a Grécia vai alongar o prazo. Acho que essa devia ser a prioridade das prioridades e eu acho que o primeiro-ministro já abriu uma janelinha quando disse se alterarem as circunstâncias - leia-se, a Grécia e os outros países - nós também queremos. Espero que seja possível alterar as circunstâncias", disse.

O ex-líder do PSD considera ainda que Pedro Passos Coelho "está a fazer a alteração possível" ao discurso.


Não a mais austeridade

"Quando uma pessoa tem um discurso que é muito, muito igual a si próprio e é o mesmo há um ano, perante a alteração das circunstâncias tem que começar a mudar aos poucos para não dar a sensação que muda muito porque ele próprio também não sabe como é que as circunstâncias se vão alterar", defendeu.

Na opinião de Marcelo Rebelo de Sousa "não deve surgir" mais austeridade "por nenhum sítio porque neste momento já está tudo tão apertado".

"Agora se me pergunta, com imaginação, onde é que eu acho que vão buscá-la, eu acho que está mais ou menos na cara que o que vão buscar, quando o Governo diz que não é só para os funcionários públicos, vão buscar aos trabalhadores que não são funcionários públicos, se for esse o caso", afirmou.

Questionado sobre se estariam em causa os subsídios de natal, o social-democrata respondeu: "Não sei, isso aí é uma hipótese mas simplesmente não sei se é sequer uma hipótese possível. O Governo tem desmentido e não é certamente uma hipótese desejável".

Sobre o Conselho Europeu que até sexta-feira decorre em Bruxelas, o comentador político considerou que se essa reunião "quisesse ser verdadeiramente histórica, devia apontar para mais união política, mais união fiscal, mais união financeira, mais união bancária".


Pouco espaço de manobra

"E aquilo que vai apontar - Deus queira que seja mais do que isso mas à partida - é apenas para um pacto de crescimento e emprego que vem dois anos atrasado, que é curto, que é um reforço dos capitais do Banco Europeu de Investimento. É injetar na economia 180 mil milhões de euros, que é nada, para não sei quantas economias. Eu espero que até amanhã ainda haja mais do que isto porque isto é muito pouca coisa", antecipou.

Marcelo Rebelo de Sousa declarou ainda que "o Governo português não tem muito espaço de manobra" e "está a seguir à risca a troika e a troika está a seguir à risca quem manda na Europa".

"E como até agora quem tem mandado na Europa praticamente, sem grandes dissonâncias, é a Alemanha, Portugal tem de seguir o que está no acordo da troika que por sua vez segue o que pensa a Alemanha. Não há muito espaço de manobra quando se deve o que se deve e tem que se cumprir aquilo que se assumiu como compromisso", sublinhou.


Fonte: Expresso ONLINE

À Volta com a Economia: Itália e Espanha bloqueiam Pacto para o Crescimento



Itália e Espanha bloqueiam Pacto para o Crescimento


No encontro dos líderes dos 27, que está a decorrer em Bruxelas, os dois países querem garantir que os mecanismos europeus os protegem do acosso dos mercados.

Itália e Espanha inviabilizaram na quinta-feira à noite a aprovação do Pacto para o Crescimento e Emprego, com que a Europa pretende complementar o Tratado Orçamental aprovado no início do ano.

No encontro dos líderes dos 27 que decorre em Bruxelas e que agora se arrasta noite dentro, Roma e Madrid deixaram claro que apoiam o conteúdo do Pacto, mas só aceitam a sua viabilização caso obtenham garantias de que serão tomadas medidas de curto prazo que forcem a descida das elevadas taxas de juro que os mercados lhes exigem.

"Estamos a favor do Pacto, mas na situação actual isso não é suficiente, tem que haver uma resposta global, com uma solução para a estabilidade", explicou uma fonte diplomática espanhola. Um diplomata italiano resumiu assim a posição do seu país: "Pacto só com medidas anti-spread".

Roma e Madrid querem garantias de que o Fundo Europeu de Estabilização Financeira (FEEF), o mecanismo de resgate do euro, intervirá no mercado da dívida para forçar a descida das elevadas taxas de juro que lhes têm sido cobradas. E exigem uma resposta antes da reabertura dos mercados na próxima segunda-feira.

Os presidentes do Conselho Europeu, da Comissão Europeia, a chanceler alemã e os responsáveis de vários países tinham agendadas conferências de imprensa para o fim da tarde onde contavam anunciar o acordo em relação ao Pacto para o Crescimento. Posteriormente prosseguiriam a discussão em torno de um maior aprofundamento da integração económica, orçamental e política. Um debate de longo prazo defendido pela Alemanha, que no curto prazo quer ver a materialização de uma união bancária.

Mas a posição de Mario Monti e Mariano Rajoy trocou-lhes as voltas. Já passava das dez da noite em Bruxelas quando Herman Van Rompuy e Durão Barroso apareceram perante os jornalistas para anunciar os detalhes do Pacto que, afinal, ainda não está aprovado: "Acontece que dois países fazem muita questão em que haja um acordo sobre as medidas a longo prazo e sobre as medidas a curto prazo, mas a discussão não está de todo bloqueada, a discussão continua, ela continua. E é por isso que vos apresentamos este relatório nesta fase intermédia", afirmou o presidente do Conselho.

A vontade destes dois países já era conhecida dos demais parceiros, que provavelmente subestimaram a sua determinação. Antes de partir para Bruxelas Mario Monti, o chefe do governo italiano, anunciou perante o parlamento do seu país que estava disposto a discutir até segunda-feira, antes da abertura dos mercados. Hoje, ao chegar à capital belga, Mariano Rajoy afirmou que não servia de nada falar em medida de longo prazo se o seu país se encontrava numa situação em que já não se conseguia financiar.

Entretanto, apesar de formalmente ainda não ter sido aprovado, o conteúdo do Pacto para o Crescimento e Emprego é o esperado. O objectivo é mobilizar um total de 120 mil milhões de euros, através do reforço do capital do Banco Europeu de Investimento (BEI), da reafectação dos fundos estruturais não utilizados e da emissão de obrigações europeias para projectos específicos de infra-estruturas.

Fonte: Expresso ONLINE

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Notícia(s) do Dia: PORTUGAL - 2, ESPANHA - 4 (GP) Penálti na barra tira Portugal da final



Penálti na barra tira Portugal da final

Portugal perdeu hoje a hipótese de jogar a segunda final da sua história no Campeonato da Europa. Após empate sem golos ao fim de 120 minutos, a Espanha foi mais feliz nos penáltis e apurou-se para a sua terceira final consecutiva, após o Euro-2008 e o Mundial-2010. Moutinho, que permitiu a defesa de Casillas depois de Patrício defender o penálti de Xabi Alonso, e Bruno Alves – que acertou na trave – foram os portugueses que falharam na marca dos 11 metros. O conjunto português sai do torneio sem ter sido inferior ao seu carrasco das últimas duas grandes competições.

A equipa portuguesa entrou no encontro sem a atitude defensiva com que começara os jogos com grau de dificuldade elevado, contra a Alemanha e Holanda. Ao segundo minuto a Equipa das Quinas já somara dois cantos e mostrara não estar em Donetsk só para defender. Mas foi a Espanha, que apresentou como novidade o avançado do Sevilha Álvaro Negredo no lugar de Fàbregas, a criar o primeiro susto com uma entrada de Iniesta pela esquerda que acabou por sobrar para Arbeloa. O lateral do Real Madrid chutou de primeira pouco por cima da barra.

O jogo foi depois muito disputado no meio-campo, com as estatísticas ao intervalo a confirmarem os estilos das duas equipas: mais posse de bola para a Espanha (56%-44%), mais passes no tiki taka do país vizinho (262 contra 164) e mais dois quilómetros percorridos pelos portugueses. À parte do jogo a meio-campo, Ronaldo e Iniesta ainda fizeram dois remates perigosos que foram o mais perto do golo que o primeiro tempo teve.

Logo aos oito minutos da segunda parte Vicente Del Bosque voltou à sua fórmula original para este Euro-2012: saiu Negredo e a entrada de Cesc Fàbregas deixou novamente a Espanha a jogar sem um avançado fixo na área.

Aos 15 minutos da segunda parte, ou 60 no total, o espanhol volta a mostrar impaciência face à ausência do habitual domínio esmagador da sua equipa. Desta vez troca David Silva por Jesus Navas, com o extremo do Sevilha a encostar-se ao flanco direito. Pelo meio, Pepe e Busquets engordavam a lista de jogadores amarelados, que terminou com 9, por falta do português sobre o espanhol e pedidos do médio do Barcelona para que Ronaldo visse amarelo após pedir penálti na área espanhola.

Pouco depois a Espanha está perto de criar perigo, com João Pereira a agarrar Fàbregas antes que o espanhol se colocasse em boa posição dentro da área. Amarelo para o português, que mais tarde viria a arriscar a expulsão ao protestar várias vezes contra adversários e a equipa de arbitragem. Aos 67 seria a vez de Miguel Veloso perder uma bola proibida no meio do meio-campo português, numa jogada que terminou com Xavi, de longe, a chutar à figura de Rui Patrício.

Portugal ia resistindo ao domínio espanhol, deixando o adversário sempre em alerta através de contra-ataques. Foi neste período que Hugo Almeida mais se mostrou, depois de uma primeira parte em que quase não se viu. O avançado do Besiktas começou por rematar de longe, não muito longe da baliza de Casillas, quando tinha Ronaldo e Nani a fugir nos dois lados. Depois rematou duas vezes descaído sobre a esquerda, que apesar de não acertarem na baliza deixaram os espanhóis em alerta.

Ronaldo teve direito ao seu primeiro livre apenas aos 72 minutos, após sofrer ainda longe da baliza contrária. O remate potente acabou por sair por cima da barra. E à medida que o cronómetro se aproximava do fim as equipas jogavam as duas cada vez com mais cautelas e tanto Patrício como Casillas viviam uma noite tranquila.

Paulo Bento, com jogadores mais frescos por ter usufruído de mais dois dias de descanso, esperou até aos dez minutos finais para mexer na equipa. E, embora mais tardia, foi também uma troca habitual: Nélson Oliveira entrou, desta vez para o lugar de Hugo Almeida e não do lesionado Hélder Postiga. Já depois disse Ronaldo iria ter mais duas oportunidades de testar uma das suas especialidades: os livres directos. Sofreu falta de XAbi Alonso, rematou em direcção à baliza mas Arbeloa, na barreira, cortou com a mão. Nova falta que o português voltaria a bater muito perto da barra da baliza de Iker Casillas.

Nos minutos finais do tempo regulamentar, o técnico espanhol esgotou as substituições, colocando Pedro Rodríguez no lugar de Xavi. A campeã da Europa e do Mundo passava a jogar com dois extremos, Pedro na esquerda e Navas à direita, mas sem nenhum homem-golo dentro da área. Fàbregas, médio do Barcelona, era o que mais se aproximava do local, mas sempre sem grande perigo.

Perigo esse que chegaria do lado português mesmo em cima do minuto 90. Após cruzamento espanhol para a área portuguesa afastado por Bruno Alves, Raul Meireles conduz um contra ataque de quatro jogadores portugueses contra apenas dois espanhóis. O médio do Chelsea escolheu Ronaldo, que ao entrar na área do lado esquerdo rematou novamente por cima da baliza adversária.

O jogo acabaria mesmo sem golos e no segundo prolongamento do Euro-2012 a Espanha entrou mais dominadora. O cansaço da equipa portuguesa, com 10 titulares ainda em campo, fez renascer o tiki taka e Rui Patrício foi obrigado aos 103 minutos a fazer a primeira grande defesa da noite. Após entrada de Jordi Alba no lado esquerdo, o flanco de João Pereira foi sempre o elo mais fraco da defensiva lusa, Iniesta desvia no centro da área na cara do guarda-redes português, que lançando-se para o lado esquerdo evitou que o adversário inaugurasse o marcador.

Perante a supremacia espanhola na primeira parte do tempo extra, Bento decidiu colocar Custódio na posição de Miguel Veloso. A alteração cumpriu os objectivos, com a posse de bola espanhola a voltar a ser menos eficaz nos primeiros minutos do segundo tempo. A excepção surgiu aos 110 minutos, com Jesus Navas a entrar com perigo pela direita e a fazer um remate cruzado que levou Patrício a defender em dois tempos.

Bento voltaria a mexer, tirando Raul Meireles e colocando Varela, o herói do jogo com a Dinamarca. Depois disso, um contra ataque de Pedro Rodriguez assustou, mas Coentrão dobrou bem os centrais e afastou para canto. Pedro foi mesmo o mais perigoso dos últimos minutos, aproveitando o facto do extremo do FC Porto não ter cumprido da melhor forma a missão de ajudar João Pereira. Ainda assim, Rui Patrício não mais foi chamado a jogo e a partida acabaria mesmo na lotaria das grandes penalidades.

Casillas e Ronaldo sortearam com o árbitro turco e o espanhol escolheu ser o primeiro a marcar. Ou tentar, pois Patrício defendeu o remate de Xabi Alonso. Depois foi a vez de Moutinho, que não fez melhor e permitiu a defesa de Casillas. Seguiu-se Iniesta, que marcou o primeiro golo da noite ao chutar para o lado esquerdo do guarda-redes português. Coube a Pepe a missão de empatar e o central não falhou. Outro central, Piqué, voltou a colocar a Espanha em vantagem apesar de Patrício ter adivinhado o lado. Nani também não falhou e empatou a dois, com dois penáltis por marcar para cada lado. Sérgio Ramos, depois de chutar para as nuvens na meia-final da Champions frente ao Bayern de Munique, fez uma espécie de Panenka e marcou. Depois, outro central, mas Bruno Alves acertou na barra. E foi a Fàbregas que coube a missão de colocar a Espanha na terceira final seguida e embora tenha acertado no poste a bola acabou mesmo por entrar. Foi o adeus de Portugal ao sonho do Euro-2012.


Fonte: Sol ONLINE

quarta-feira, 27 de junho de 2012

As mais belas Bibliotecas do Mundo: BIBLIOTECA PHILOLOGICAL LIBRARY, FREE UNIVERSITY, BERLIM - ALEMANHA




BIBLIOTECA PHILOLOGICAL LIBRARY, FREE UNIVERSITY, BERLIM - ALEMANHA


Norman Foster, inspirou-se no formato de um cérebro humano para projectar a biblioteca inaugurada em 2005. Com 700 mil volumes, ela é o principal edifício da universidade e tornou-se um dos principais pontos turísticos da capital alemã.
Em 1997, Lord Norman Foster foi contratado para projectar um edifício para a nova biblioteca para abrigar os 10 departamentos e previamente separado do departamento da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas. A nova biblioteca foi integrada no edifício existente da Universidade Livre de 1971, que simultaneamente tinha sido submetido a uma renovação completa. A biblioteca é um edifício completamente novo, pelo que as partes antigas do anterior edifício, tiveram de ser removidas. A construção do edifício da nova biblioteca foi necessária em virtude da intenção de reunir dentro de um único prédio, os 10 departamentos, actualmente espalhados por todo o campus, juntamente com a sua equipa de funcionários e escritórios administrativos, bem como, salas de palestras. Ao mesmo tempo, as bibliotecas departamentais foram integradas nesta nova biblioteca, nomeadamente, as colecções da Biblioteca de Filologia e línguas clássicas e modernas, bem como Literatura Comparada e Linguística. O novo edifício tem uma capacidade de 800.000 volumes em prateleiras abertas, espaço e secretárias para 650 leitores. Tem um sistema de aquecimento central, com economia de energia, que ficou englobado no orçamento global de 18 milhões de euros, ficando de fora deste orçamento o custo de prateleiras e equipamentos de informática.


Philological Library
Morada

Habelschwerdter Allee 45
14195 Berlin

Telefone
+49 (0)30 838-588 88 (Information); -588 01

Fax

+49 (0)30 838-58804

Horário
Segunda – Sexta-Feira, das 9:00. às 22:00; Sábado e Domingo das 10:00 às 18:00

A Biblioteca de Filologia contém as participações de várias bibliotecas departamentais:
- Comparative Literature
- English Language and Literature
- Byzantine Studies/ Modern Greek Studies
- German and Dutch Language and Literature
- Classical Latin Studies
- Institute for Latin American Studies
- Medieval Latin Studies
- Philosophy
- Romance Languages and Literature
- Institute for East European Studies
- Comparative and Indo-European Linguistics
- Indian Philology (part of the holdings of the library of the institute of Indian Philology and Art   History, formerly B 878)





















Notícia(s) do Dia: Morreu Nora Ephron




Morreu Nora Ephron

Desapareceu a realizadora que "desafiou e prosperou no mundo machista do cinema e do jornalismo, e foi amada, respeitada e temida por sua inteligência", como noticiou o "Boston Globe".

Nora Ephron, 71 anos, ensaísta, escritora e realizadora de "Julie & Julia", entre outros filmes, morreu terça-feira à noite, num hospital de Nova Iorque, vítima de leucemia, confirmou em comunicado o seu editor Alfred A. Knopf.

Filha dos dramaturgos Henry e Phoebe Ephron, Nora Ephrom atingiu o topo do jornalismo entre os 20 e os 30 anos de idade, tornando-se depois um autora de best-sellers e realizadora de sucesso.

Ephron, segundo o jornal norte-americano "Boston Globe", encontrava-se entre os escritores mais citados e influentes da sua geração. A realizadora teve três nomeações para o Óscar com os filmes "Silkwood - Reacção em Cadeia" (1983), "Um Amor Inevitável" (1989) e "Sintonia de Amor" (1993).

A realizadora estava casada, em terceiras núpcias, com o escritor Nicholas Pileggi, de 79 anos, e tinha dois filhos do seu casamento com Carl Bernstein, um dos jornalistas que revelaram o escândalo "Watergate" e cuja infidelidade lhe inspirou o romance "Heartburn". O seu primeiro casamento foi com o jornalista, argumentista e escritor Dan Greenburg.

Além de "Julie & Julia", Nora Ephrom realizou "Você tem uma mensagem" (1998), com Tom Hanks e Meg Ryan, e "A Feiticeira" (2005), com Nicole Kidman, entre os seus filmes mais conhecidos



Fonte: Expresso ONLINE

terça-feira, 26 de junho de 2012

Às voltas com a VODAFONE: SMARTPHONE AVANÇADO A PREÇO REDUZIDO

Notícia(s) do Dia: Morreu Montalvão Machado




Morreu Montalvão Machado

Fundador e militante nº 10 do Partido Socialista, Júlio Montalvão Machado morreu segunda-feira em Vila Real.

O fundador do PS Júlio Montalvão Machado morreu segunda-feira, aos 83 anos, informou o secretário-geral do PS, António José Seguro, que lamentou, numa nota de pesar, a morte de "um dos mais ilustres democratas".

Para António José Seguro, o falecimento de Júlio Montalvão Machado, republicano e antifascista, deixa ao país "uma personalidade única, a quem a República e a democracia muito devem".

Oftalmologista de profissão, Júlio Augusto de Morais Montalvão Machado foi um dos fundadores da Acção Socialista Portuguesa e, depois, do Partido Socialista.

Fez parte da Comissão Nacional e da Comissão Directiva do PS, tendo exercido todas as funções partidárias em Vila Real, distrito de onde era natural.

Foi presidente honorário da Federação Distrital do PS de Vila Real, governador civil de Vila Real (1974-1975), deputado (1979-1980) e presidente da Assembleia Municipal de Chaves (1993-2001).

Perseguido pelo regime do Estado Novo, Montalvão Machado só viria a ser autorizado a exercer funções profissionais no Serviço Nacional de Saúde após o 25 de Abril de 1974.

"A ética republicana era, para o Dr. Júlio, a sua inspiração de vida. Ao longo dos anos, Júlio Montalvão investigou história política portuguesa, em especial o pós Invasões Francesas e o período da implantação da República. A história dos Defensores de Chaves (1912) e a vida de António Granjo, primeiro-ministro em 1920/21 e seu familiar, foram a base das suas inúmeras publicações", lembra António José Seguro no site do PS.

Militante do Partido Socialista, com o cartão nº10, transmontano nascido em Vila Real a 27 de julho de 1928, era irmão do advogado e político do PSD Mário Montalvão Machado, falecido há dois anos, e filho do magistrado e escritor Júlio Augusto Montalvão Machado e de sua mulher Olinda de Morais.

Fonte: Expresso ONLINE

À Volta com a Vida: Alunos do Minho são (outra vez) campeões mundiais de robótica (Alguma coisinha boa!)



Alunos do Minho são (outra vez) campeões mundiais de robótica


Os alunos da Escola Secundária de Amares, distrito de Braga, voltaram a sagrar-se campeões mundiais de robótica, no RoboCup. Esta é a terceira vez consecutiva que a equipa ESA Robots traz para Portugal o ouro dos escalões mais jovens do Mundial de Robótica.

Para além desta, estiveram em prova mais vinte equipas portuguesas, seis delas em competições destinadas a estudantes universitários e quinze em competições Júnior, que englobam alunos do ensino básico e secundário (divididos consoante tenham mais ou menos de 14 anos). Este ano havia participantes com idades a partir dos 8 anos.

No futebol robótico sub 19, a Escola Profissional Cenatex também se sagrou tricampeã mundial e no escalão do ensino básico destacaram-se o Agrupamento de Escolas de São Gonçalo, de Torres Vedras, que trouxeram para casa alguns prémios.

A prestação do grupo de Amares no RoboCup 2012, que decorreu a semana passada na Cidade do México, é relatada num comunicado enviado ontem à imprensa pela escola, onde se lê que "os alunos venceram todas as provas que disputaram na sua liga".

Na prova individual apresentaram robôs "que construíram e programaram inspirados pelo tema dos Jogos Olímpicos", encontrando-se entre eles uma réplica da mascote da competição que "captou o interesse dos fotógrafos e participantes do evento", lê-se na nota aos meios.

Estes robôs integram sensores e servomotores programados para, de forma autónoma, interagirem com os alunos durante a sua apresentação. Na prova das Super-Equipas, uma prova lançada durante o RoboCup 2012, os alunos de Amares trabalharam em conjunto com alunos de Macau (China) e do México, tendo preparado os seus robôs para uma nova apresentação em apenas 24 horas. Para vencer esta prova foi determinante a experiência acumulada em participações anteriores, contam os responsáveis pelo grupo.

O grupo, que já tinha vencido as edições de 210, em Singapura, e 2011, na Turquia, é constituído essencialmente por alunos dos cursos profissionais da área de Informática (Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos e Técnico de Programação de Sistemas Informáticos) e por dois professores.

Na edição deste ano daquele que é considerado o maior evento mundial de robótica, estiveram presentes cerca de 3.000 participantes, vindos de mais de 30 países. Uma das presenças nacionais habituais na competição é a Cambada, campeã nacional de futebol robótico, mas cuja prestação na edição deste ano do RoboCup ainda não foi divulgada no seu site.

Fonte: SAP Online

segunda-feira, 25 de junho de 2012

As mais belas Bibliotecas do Mundo: BIBLIOTECA GERAL HISTÓRICA DA UNIVERSIDADE DE SALAMANCA - ESPANHA


BIBLIOTECA GERAL HISTÓRICA DA UNIVERSIDADE DE SALAMANCA - ESPANHA


A Universidad de Salamanca, situada na cidade de Salamanca, é a universidade mais antiga de Espanha e uma das mais antigas do Mundo, foi fundada em 1218.
Tem a sua origem no nascimento do Estudo Salmantino no século XIII. Desde então e até aos anos cinquenta do século XX, quando foi convertida na Biblioteca Geral da Universidade, a Antiga livraria, os anexos foram remodelados no final do século XIX e constituíram o único serviço bibliotecário da Universidade de Salamanca.
Como biblioteca universitária, nos finais do século XVIII recebeu a maior parte das colecções existentes no Colégio Real da Companhia de Jesus de Salamanca e dos colégios maiores e menores da cidade, que se juntaram aos fundos históricos pertencentes à Universidade. Por sua vez, como única Universidade, foi reunindo os estudos modernos, que por serem em grande parte anteriores a 1958, são considerados actualmente parte do Património Histórico de Espanha, de acordo com a Lei 16/1985, de 25 de Junho.
Desde meados do século XIX, a biblioteca somou à sua categoria de universitária, a categoria de Biblioteca Provincial de Salamanca, em virtude de receber outros manuscritos, tornar-se a Oficina da Propriedade Literária de Salamantina e o Depósito Legal, este último desde os inícios de 1958 até 1982.
Desde 1995, também é utilizada como centro de investigação, cujas principais funções são as relacionadas com a custódia, processos e difusão do seu fundo bibliográfico, o incremento deste e a manutenção de colecções de apoio à investigação.
Em 2006, a Biblioteca adquiriu a Denominação de Biblioteca Geral Histórica.



Tipologia das Colecções:
a) Fundo histórico: Códigos, Manuscritos e impressões até 1830.

b) Fundo relacionado com Salamanca: Publicações salmantinas anteriores ao Depósito Legal; Depósito legal (1958-1982); Publicações da Universidade de Salamanca (desde 1943), Obras de valor histórico de Salamanca ou para a Universidade.

c) Legados e Doações

d) Fundos multidisciplinares universitários desde 1830

e) Fundo moderno de apoio à investigação


Localização
Encontra-se situada no claustro alto do Edifício das Escolas Maiores. Consta de la Antiga Livraria (s. XVI-XVIII) e de uma zona mais moderna (finais do século XIX) dedicada a depósitos, locais administrativos e tecnológicos e a sala de investigadores.


Espaços e Equipamento:
Espaços - Sala histórica (século XVI-XVIII), com a sala de manuscritos anteriores ao século XVI

 - Depósitos: espaço reformado em 1940 para depósito e despachos.

 - Sala de leitura, com obras de referência de livre acesso.

 - Sala de seminários: espaço que pode ser utilizado por professores para realizar actividades com os alunos, relacionadas com os fundos custeados pela biblioteca.

Equipamento
 - Laboratório de Microfilmagem

 - Scanner de microfilme

 - Scanner para livros

 - Leitor de microformas

 - Lâmpada de Wood

 - Internet na sala de leitura.

 - Wi-fi

 - Aparelho de encadernação e restauração (cedido pela Facultade de Tradução e Documentação)


Horário e localização


De 8:30 a 21:00, de segunda a sexta-feira

Direcção:
C/ Libreros, s/n. Salamanca 37008


Telefone:
923 29 44 00 - Ext.: 1189

Faxes:
923 29 47 04

Emails:
bgeneral@usal.es

Sitio web:
Biblioteca General Histórica













sexta-feira, 22 de junho de 2012

Livros que merecem ser lidos...


HISTÓRIA DA SOCIOLOGIA
Charles-Henry Cuin e François Gresle

Quais são as datas, as obras, as instituições, as técnicas de investigação e as personalidades que marcaram o desenvolvimento da sociologia? A sociologia é uma invenção francesa ou americana? Tendo em conta a história e as tradições nacionais, pode falar-se de uma ou de várias sociologias? Que sentido atribuir aos conflitos que opõem os sociólogos sobre conceitos e métodos? É possível falar de um progresso da sociologia?
História da Sociologia responde de uma forma clara e acessível a estas e a outras questões, caracterizando a linha evolutiva de uma das principais e mais actuantes ciências humanas.



Preâmbulo

A. ANTES DE 1918

I. Da Física Social à Sociologia: A descoberta de um novo objecto de conhecimento (1790-1860)

1. A Sociologia, herdeira da Revolução
A corrente tradicionalista
Dos ideólogos a Saint-Simon

2. As múltiplas facetas do positivismo e do cientismo
O positivismo segundo Auguste Comte
Uma variante inlgesa do positivismo
A estatística moral e judicial
A matemática social

3. Continuidade e alteração da reflexão política
Democracia e revolução em Tocqueville
Socialismos utópicos e marxismo

II. Sociologia ou Ciências(s) Sociais? Uma Disciplina em Busca da Identidade (1860-1890)

1. Voluntarismo político e sociedade: o caso francês
A Universalidade e as veleidades de reforma do Estado imperial
Fréderic Le Play e o seu movimento
A Escola livre das ciências políticas

2. Os paradigmas de origem da ciência social
O biologismo e os seus excessos
O organicismo
O contratualismo
A filosofia alemã contra o positivismo

3. Os limites de uma ciência da sociedade nos anos 1880

III. Entre a França e a Alemanha, um Magistério Disputado (1890-1918)

1. O debate em trono das ciências do espirito
Wundt e a psicologia científica
O comunitarismo de Tönnies
O psicologismo à francesa

2. A sociologia como «ciência dos seres sociais»
Simmel e a sociologia da forma
Weber e a sociologia compreensiva
A sociologia alemã: uma disciplina com um estatuto incerto

3. A sociologia como ciência geral do social
Émile Durkheim: a carreira
A obra

4. Os esforços de organização da disciplina em França
Os republicanos e o ensino superior
A iniciativa privada ao ataque
As hesitações do mercado intelectual
A aventura de l'Anné sociologique
Uma institucionalização em ordem dispersa

IV. A Sociologia como Arte Social

1. O emergir de outros polos nacionais de investigação na Europa
Na Bélgica, uma ciência social já aplicada
A Rússia, entre ciência e revolução
Em Itália, da criminologia à sociologia paretiana
Em França, transmissão e partilha da herança leplaysiana
Grandeza e miséria da sociologia britânica

2. O reformismo americano
Para um mundo novo, uma ciência nova
Small, empreendedor de sociologia
Situação da disciplina por volta de 1910

Algumas Tendências Dominantes

Quadro Sinóptico (1789-1920)

B. DESDE 1918

Introdução

I. Destinos Desiguais (1918-1945)

1. A sociologia francesa sem Durkheim
Posteridade e declínio do durkeimismo
Os não-durkheimianos durante o período entre as duas guerras

2. As sociologias alemãs entre as duas derrotas
O arquipélago sociológico
Teorizações sistema´ticas pouco fecundas
A abundância de áreas de investigação
Os sociólogos alemães sob o nazismo

3. A sociologia atravessou o Atlântico
Uma sociologia «secular»
A cidade como laboratório da Universidade de Chicago
À procura da sociedade americana
Hervard e a reacção teorética

4. Conclusão

Bibliografia (1918-1945)

II. O Tempo das Ambições (1945-1968)

1. A «idade de ouro» da sociologia americana
As consolidações institucionais
O triunfo do empirismo quantificador
A hegemonia do funcionalismo
A escalada das oposições

2. A reconstrução da sociologia francesa
O processo de edificação institucional
O empirismo conjuntural
Os combates de Gurvitch

3. A internacionalização da sociologia
O papel da UNESCO e dos Estados Unidos
Reconstruções e construções das sociedades ocidentais
A hibernação da sociologia comunista
O militantismo sociológico latino-americano

4. Conclusão

Bibliografia (1945-1968)

III. Uma explosão de Paradigmas (1968-1990)

1. Os novos paradigmas anglo-saxões
A sociologia crítica
Os avatares do interaccionismo simbólico
Das teorias do intercâmbio social às teorias da escolha racional
A renovação da sociologia histórica
O florescimento da tradição empírico-analítica

2. Os dilemas da sociologia francesa
Um processo de extensão e de segmentação
Morte e ressurreição de uma sociologia do actor
Nos «quatro cantos da sociologia francesa»

3. E nos outros países

Bibliografia (1968-1990)

Tendências Gerais e Perspectivas

Quadro Sinóptico

Bibliografia
A. Antes de 1918
B. Desde 1918

Notícia(s) do Dia: PORTUGAL - 1, REP.CHECA - 0 Ronaldo faz “Checo-mate” até às meias



Ronaldo faz “Checo-mate” até às meias


CR7 volta a ser decisivo marcando o golo que leva Portugal até às meias-finais do Euro2012. Depois do Euro2004, Portugal volta a uma meia-final.


Portugal venceu, esta quinta-feira, a República Checa por 0-1, em jogo dos quartos de final do Euro2012, disputado no Estádio Nacional de Varsóvia, na Polónia. Cristiano Ronaldo marcou, aos 79 minutos, o golo que leva Portugal até às meias-finais.
A meia-final está agendada para 27 de junho, em Donetsk, na Ucrânia, e Portugal fica à espera do vencedor do encontro entre Espanha e França, que se realiza este sábado.
“Em equipa que ganha não se mexe”. É o que terá pensado Paulo Bento ao voltar a apresentar a mesma equipa titular contra os checos.
Tal como já tinham avisado, os checos começaram o encontro na expectativa, deixando que Portugal tomasse conta do jogo para depois espreitar uma oportunidade de contra ataque.
Nos primeiros minutos do encontro em Varsóvia, no primeiro desafio dos quartos de final deste Euro2012, a seleção nacional tentou chegar à área de Peter Cech através dos cruzamentos aéreos mas a formação comandada por Michal Bílek mostrou-se atenta o tempo todo. Pode-se dizer até, que a República Checa entrou melhor que Portugal no jogo.
Perto da meia hora de jogo, o árbitro inglês Howard Webb começou a tirar do bolso os cartões, com os dois primeiros a serem mostrado a Nani e Miguel Veloso.
Perto do minuto 38, Hélder Postiga lesionou-se sozinho, durante um arranque para o ataque e teve de ser substituído por Hugo Almeida.
À medida que o tempo passava, dava a sensação que Portugal podia ter feito mais, mas a República Checa estava apenas a cumprir o que já tinha prometido. O que faltava ao jogo era um golo para desbloquear a atitude da seleção adversária.
Já com o relógio do estádio de Varsóvia a bater os 45 minutos, Cristiano Ronaldo, muito assobiado sempre que tocava na bola, enviou, uma vez mais, uma bola ao poste, após passe fantástico de Raul Meireles.

Ao intervalo, Portugal voltou aos balneários com o ecrã a mostrar 0-0.

Aos 58 minutos, a bola entrou pela primeira vez na baliza de Peter Cech, num cabeceamento de Almeida após cruzamento de Nani, mas o fiscal de linha anulou o golo por fora de jogo ao avançado do Besiktas. Na repetição, confirmou-se a posição irregular do ponta de lança na altura do passe.
Portugal esteve sempre mais perto de fazer o golo e, aos 58 minutos, João Moutinho testou os reflexos de Cech, com um bom remate fora da área e o guarda-redes do Chelsea a desviar com a ponta das luvas para canto.
Depois de tantas tentativas falhadas, Cristiano Ronaldo conseguiu, finalmente, encontrar o caminho para o golo. Para isso, teve de usar a cabeça. Aos 79 minutos de jogo, Moutinho ganhou espaço e cruzou para a área checa. Hugo Almeida não chegou à bola, mas o capitão encarregou-se de concluir da melhor forma, fazendo o seu terceiro golo no Euro2012.
Terminada a partida em Varsóvia, Portugal terá cinco dias de treino até chegar à meia final. O adversário de Portugal sairá do encontro Espanha-França, que se realiza este sábado.

Fonte: SAPO Online

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Notícia(s) do Dia: Procuram-se médicos. Governo abre concurso para 800 vagas




Procuram-se médicos. Governo abre concurso para 800 vagas


Dos 18.723 médicos a trabalhar no Serviço Nacional de Saúde (SNS), a maioria (10.793) já tem mais de 50 anos.


O Ministério da Saúde abriu um concurso para quase 800 vagas, a serem preenchidas por médicos em diversas instituições do país, das quais 200 são na área de medicina geral e familiar.

De acordo com um despacho publicado em “Diário da República”, estes estabelecimentos com carência de médicos já haviam sido identificados num outro despacho, o qual continha "incorrecções relativas a dotações por estabelecimento", pelo que foi agora substituído.

Em relação à medicina geral e familiar, o maior número de vagas (74) foi aberto para a zona do Algarve, seguindo-se a Administração Regional de Saúde (ARS) de Lisboa e Vale do Tejo (37) e ARS do Norte (34).

Neste concurso foram ainda abertas 19 vagas para a especialidade de saúde pública, distribuídas por sete instituições.

O Ministério da Saúde procedeu também ao recrutamento de 560 profissionais para outras especialidades espalhadas por instituições de saúde localizadas em todo o país. Os especialistas mais procurados são os de medicina interna (58), ginecologia e obstetrícia (50) e anestesiologia (48).

De acordo com Inventário de Pessoal do Sector da Saúde, publicado pela Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS), dos 18.723 médicos a trabalhar no Serviço Nacional de Saúde (SNS), a maioria (10.793) já tem mais de 50 anos.



Fonte: Renascença ONLINE

As mais belas Bibliotecas do Mundo: BIBLIOTECA THE TRINITY COLLEGE LIBRARY, DUBLIN - IRLANDA


BIBLIOTECA THE TRINITY COLLEGE LIBRARY, DUBLIN - IRLANDA



A Universidade da Irlanda, mais conhecida como Trinity College, foi fundada em 1592 por Elizabeth I. De início só eram admitidos alunos anglicanos para os cursos de graduação, mestrado, doutoramento; também para as congregações de docentes e para a obtenção de bolsas. Mas, em 1873, essas exigências religiosas foram eliminadas.
Mas é de sua bela e grandiosa biblioteca que falaremos hoje.
A Biblioteca do Trinity College, localizado em Dublin, é a maior biblioteca na Irlanda. Ttem direitos de depósito legais do material publicado na República da Irlanda. A biblioteca tem mais de 4,5 milhões de volumes de livros.
As suas maiores atracções são a Old Library, biblioteca com 200.000 volumes decorada com bustos de académicos, a harpa mais antiga da Irlanda e o Livro de Kells.
Guardiã de iluminuras, manuscritos, códices, in-folios e livros que são parte importante da herança ocidental, ela contém hoje, 5 milhões de volumes impressos, inclusive uma impressionante colecção de jornais, mapas e partituras que nos ajudam a percorrer mais de 500 anos do desenvolvimento académico europeu.
O prédio original, conhecido como Biblioteca Antiga, localizado no coração de Dublin, leva os visitantes de volta ao século XVIII, quando a maravilhosa edificação estava sendo erguida. Em 12 de Maio último, comemorou-se o seu tricentenário.
O salão principal, chamado de Long Room, com quase 65 metros de comprimento, guarda os mais antigos livros do acervo da biblioteca, cerca de 200.000.
Quando foi construído, entre 1712 e 1732, as prateleiras ocupavam o andar térreo apenas. Em 1850 essas prateleiras estavam completamente ocupadas e em 1860 o telhado foi levantado para permitir a construção de um tecto abobadado e de uma galeria com mais prateleiras.
Ao longo do salão, ficam os bustos de mármore que são uma das marcas da biblioteca. Colecção iniciada em 1743, inclui bustos de filósofos, escritores ocidentais e de personalidades de algum modo ligadas ao Trinity College, sendo que o mais valioso é o de
Jonathan Swift, feito pelo escultor Louis François Roubiliac.
Outros tesouros incluem uma das poucas cópias da Proclamação da República da Irlanda, de 1916, e uma harpa irlandesa que é a mais antiga de seu tempo, provavelmente do século XV, feita em carvalho e salgueiro, com 29 cordas. Essa harpa foi o modelo para o emblema da Irlanda.
Mas a sua maior riqueza é o Livro de Kells (em inglês: Book of Kells; em irlandês: Leabhar Cheanannais), também conhecido como Grande Evangeliário de São Columba, um manuscrito ilustrado com motivos ornamentais, feito por monges celtas por volta do ano 800 DC, no estilo conhecido por arte insular.
Por sua grande beleza e pelo primoroso acabamento, o manuscrito é considerado por historiadores e especialistas como um dos mais importantes vestígios da arte religiosa medieval, além de ter a importância de ser a peça principal do cristianismo irlandês. Povo, como sabemos, extremamente religioso.
Escrito em latim, o Livro de Kells contém os quatro Evangelhos do Novo Testamento, além de notas preliminares e explicativas, e numerosas ilustrações e iluminuras coloridas.
Apesar de instituição secular, a biblioteca emprega métodos modernos para facilitar a pesquisa, o aprendizado e o ensino.