quinta-feira, 31 de maio de 2012

As mais belas Bibliotecas do Mundo: Biblioteca Central de Seattle - EUA

BIBLIOTECA CENTRAL DE SEATTLE - EUA


A Biblioteca Central de Seattle é a biblioteca principal do sistema Biblioteca Pública de Seattle.

O edifício de onze andares (56 metros ou 185 pés de altura), de vidro e aço no centro da cidade de Seattle, Washington foi aberto ao público em 23 de Maio de 2004.

A biblioteca pública de 34,000 m² pode comportar cerca de 1,45 milhão de livros e outros materiais, possui estacionamento público no subsolo para 143 veículos e ainda mais de 400 computadores disponíveis para o público.

Em 2007, o edifício foi classificado em 108º lugar na lista das 150 estruturas favoritas nos E.U.A pelo American Institute of Architects. De facto, trata-se de uma biblioteca que prima pela inovação, pelo seu perfil atraente, sedutor e cativante (não só a nível arquitectónicoe decorativo, como também a nível dos serviços).

Trata-se de uma biblioteca para todas as idades e que satisfaz plenamente as necessidades dos seus utilizadores. Disponibiliza imensos computadores com acesso à internet, espaço wireless (pode levar o seu portátil e se conectar gratuitamente), actividades para crianças, jovens e adultos, aulas de inglês para estrangeiros e salas de reunião (você pode reservar uma sala para negócios, aulas, estudo, etc.).


segunda-feira, 28 de maio de 2012

Notícia(s) do Dia: Solidariedade recorde. Mais de 2.600 toneladas de alimentos recolhidas




Solidariedade recorde. Mais de 2.600 toneladas de alimentos recolhidas


O Banco Alimentar contra a Fome recolheu, durante o fim-de-semana, 2.644 toneladas de alimentos, mais 13,7% mais que em Maio do ano passado. O balanço é, pois, “muito positivo”.

“O balanço da campanha do fim-de-semana é muito positivo, embora exista uma evidente contracção do rendimento disponível e do poder de compra dos portugueses”, refere à Renascença a presidente do Banco Alimentar Contra a Fome, Isabel Jonet.

A operação decorreu “em 1650 superfícies comerciais de todo o país”. Os alimentos recolhidos vão agora ser encaminhados para quem deles mais necessita, “através de instituições de solidariedade social acompanhadas e visitadas pelos 19 Bancos Alimentares”.

“Temos um total de 2.116 instituições, que ajudam a alimentar 337 mil pessoas com carência alimentares comprovadas, quer com cabazes de alimentos como refeições confeccionadas”, adianta Isabel Jonet.

A campanha nos super e hipermercados decorreu no fim-de-semana, mas a recolha de donativos não fica por aqui: até dia 3 (próximo domingo), pode contribuir para o Banco Alimentar através da internet ou através de um vales, que pode comprar nos supermercados e que correspondem a determinados produtos, que vão depois ser entregues ao Banco Alimentar e distribuídos às famílias carenciadas.



Fonte: Renascença ONLINE

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Às Voltas com a Memória: JAMES MASON (n. 15 Mai.1909; m. 27 Jul.1984)



James Mason, nasceu em Yorkshire, Inglaterra, a 15 de Maio de 1909.
James Mason foi aluno do Colégio Marborough e depois frequentou a Universidade de Cambridge, onde se formou em Arquitectura, antes de se decidir que tinha uma oportunidade de melhorar a sua vida em palco, antes de desenhar casas e prédios.
Tornou-se actor teatral em 1930. Chamou a atenção do director Al Parker e, em 1935, fez o primeiro de mais de 140 filmes, Late Extra.
Transformou-se rapidamente num astro de nível internacional e, em 1954, viveu um dos seus melhores papéis em Nasce uma estrela, ao lado de Judy Garland. Foi a sua primeira indicação para o Óscar.
Foi candidato ao Óscar por três vezes: em 1954, em 1966 por Georgy Girl, e em 1982 por O Veredito, mas não venceu em nenhuma das vezes.
Mason, que residiu em Inglaterra e nos Estados Unidos da América, mudou-se para a Suíça em 1982, e morava em Vevey, uma pequena cidade junto ao lago de Genebra com a esposa, Clarissa Mason. Morreu de ataque cardíaco, aos 75 anos, a 27 de Julho de 1984, em Lausana, na Suíça. Encontra-se sepultado no cemitério comunal de Corsier-sur-Vevey, Vaud na Suíça.



Principais Filmes:
The Agatha Christie Code(2005)
Twentieth Century Fox: The Blockbuster Years(2000
O Declínio dos Anos Dourados(1985)
O Refúgio(1985)

O Refúgio(1985)
The Golden Gong(1985)

The Golden Gong(1985)
Group Madness(1983)

Group Madness(1983)
O Incrível Barba Amarela(1983)

O Incrível Barba Amarela(1983)
Assassinato num Dia de Sol(1982)
O Veredito(1982)
Hollywood(1980)
Bob Hopes Overseas Christmas Tours: Around the World with the Troops - 1941-1972(1980)
The Shining(1980)
A Herdeira(1979)
Assassinato Por Decreto(1979)
Passageiros do Inferno(1979)
Resgate Suicida(1979)
Meninos do Brasil(1978)
O Céu Pode Esperar(1978)
Os Bébés de Água(1978)
Cruz de Ferro(1977)
Homage to Chagall: The Colours of Love(1977)
Paura in città(1976)
Autobiography of a Princess(1975)
Gente di rispetto(1975)
La città sconvolta: caccia spietata ai rapitori(1975)
A Mão esquerda da Lei(1975)
Mandigo - O Fruto da Vingança(1975)
The Year of the Wildebeest(1975)
A Casa dos Diamantes(1974)
Para que servem o amigos?(1974)
O Emissário de Mackintosh(1973)
O Fim de Sheila(1973)

Childs Play(1972)
Bad Mans River(1971)
Kill!(1971)
Ódio Velho(1970)
Duas Gerações(1970
Poder Diabólico(1970)
A Idade da Reflexão(1969)
A Gaivota(1968)
Duffy(1968)
Mayerling(1968)
Stranger in the House(1967)
Duas Plateias para a Morte(1966)
Georgy, a Feiticeira(1966)
Ambição de Glória(1966)
Genghis Khan, o Conquistador(1965)
La verifica incerta(1965)
Lord Jim(1965)
Los pianos mecánicos(1965)
A Queda do Império Romano(1964)
The Pumpkin Eater(1964)
Beta Som(1963)
Heros Island(1962)
Lolita(1962)
The Marriage-Go-Round(1961)
The Trials of Oscar Wilde(1960)
Intriga Internacional(1959)
Quase um Criminoso(1959)
Viagem ao Centro da Terra(1959)
Cry Terror!(1958)
The Decks Ran Red(1958)
Uma Ilha ao Sol(1957)
Atrás do Espelho(1956)
O Anjo de Susana(1956)
20.000 Léguas Submarinas(1954)
Assim Nasce Uma Estrela(1954)
Prince Valiant(1954)
A História de Três Amores(1953)Prince Valiant(1954)
A História de Três Amores(1953)
A Nau dos Condenados(1953)
Charade(1953)Charade(1953)
Júlio César(1953)
Ratos do Deserto(1953
O Caso Cícero(1952)
Cara a Cara(1952)
Obsessão(1952)
O Prisioneiro de Zenda(1952)
Pandora(1951)
Rommel, a Raposa do Deserto(1951)
Último Encontro(1950)
A Cilada da Ambição(1949)
Mundos Opostos(1949)
Madame Bovary(1949)
Na Teia do Destino(1949)
A Casa Cercada(1947)
Pecado Mortal(1947)
A Place of Ones Own(1945)
O Sétimo Véu(1945)
A Mulher Maldita(1945)
Uma Luz em Argel(1944)
Unidos Além da Morte(1945)
Hotel Reserve(1944)
Londres em Chamas(1943)
Encontraram-se à Noite(1943)
Alibi(1942)
O Castelo do Homem sem Alma(1942)
Secret Mission(1942)
Paira a Morrte sobre os Pântanos(1942)
O Farol das Ilusões(1942)
Salvem a Minha Filha(1941)
Encontrei um Assassino(1939)
Catch As Catch Can(1937)
Inglaterra em Chamas(1937)
As Novas Aventuras de Scarlet Pimpernel(1937)
O Grande Vendaval(1937)
Blind Mans Bluff(1936)
Prison Breaker(1936)
Secret of Stamboul(1936)
The High Command(1936)
Troubled Waters(1936)
Twice Branded(1936)
Late Extra(1935)

quarta-feira, 23 de maio de 2012

As mais belas Bibliotecas do Mundo: Biblioteca Abbey - St. Gallen - Suiça

Início uma nova crónica intitulada, "As mais belas Bibliotecas do Mundo". Pretendo divulgar desta forma as bibliotecas, quer nacionais, como internacionais, que são os grandes receptáculos da cultura dos povos, à volta do mundo. Uma biblioteca é, no meu entender, o laboratório de qualquer escritor, investigador ou apenas leitor, e nelas poderemos obter conhecimento tal, que fará de qualquer cidadão, um cidadão mais informado, mais culto, mais ambicioso. Espero que seja do agrado de todos, e qualquer comentário que julguem pertinente, disponham.

BIBLIOTECA ABBEY - St.GALLEN - SUIÇA








Situada na parte alemã da Suíça, na cidade de St. Gallen, é conhecida como uma das mais belas Bibliotecas do mundo.

O serviço de atendimento turístico fecha às três da tarde no sábado e não abre no Domingo, porque todos fazem turismo a partir de Segunda-Feira. A Biblioteca faz parte da Catedral e a entrada não é muito cara, são cerca de 10 francos suíços. Tem como contratempo o facto de ser proibido tirar fotos, e para se entrar é necessário calçar umas pantufas, lá dentro é bastante frio. Outro facto interessante é a sua dimensão, bastante pequena, mais parece uma biblioteca particular, mas o tecto, esse sim é espectacular, tal como ilustra as fotografias, é lindíssimo, logo na entrada tem um globo terrestre enorme, muito antigo, no canto esquerdo uma múmia de verdade. Vale a pena a sua visita e, aconselho também a visita à Catedral, cujo tecto tem os mesmos efeitos da Biblioteca.

É uma das primeiras bibliotecas monásticas e das mais importantes do mundo. Possui 2.100 manuscritos que datam do oitavo século até ao décimo quinto. A Biblioteca possui quase 160.000 volumes. Os livros da Biblioteca estão disponíveis para uso público, mas os livros impressos antes de 1900 devem ser lidos na Sala de Leitura. O salão da Biblioteca, projectado pelo arquitecto Peter Thumb, tem estilo barroco, e é considerado um dos mais belos deste estilo na Suíça e uma das salas mais perfeitas ao redor do mundo. Em 1983 a Biblioteca, juntamente com a Abadia de St. Gallen foram feitos Património Mundial, como "um exemplo perfeito de um grande mosteiro carolíngio".

terça-feira, 22 de maio de 2012

À Volta com a Economia: OCDE arrasa metas de Vítor Gaspar



OCDE arrasa metas de Vítor Gaspar


A OCDE diz que a economia portuguesa está pior do que o Governo anunciou e que o défice orçamental será superior às metas do ministro das Finanças.



As metas do défice orçamental anunciadas pelo ministro das Finanças Vítor Gaspar - de 4,5% em 2012 e 3% em 2013 - podem estar comprometidas caso se confirmem as previsões desfavoráveis da OCDE para a evolução da economia em Portugal - mais pessimista que o Governo.

Estas previsões da OCDE implicariam que os portugueses "apertassem" ainda mais o cinto. É que a OCDE estima que o Produto Interno Bruto (PIB) português caia 3,2% em 2012 e ainda diz que no próximo ano continuará a cair 0,9%.

Ou seja, as previsões da OCDE terão reflexos negativos ao nível do défice orçamental, que assim ficaria acima dos valores anunciados pelo ministro das Finanças, Vítor Gaspar, podendo disparar para 4,6% do PIB ainda este ano e para 3,5% em 2013.


Fonte: EXAME EXPRESSO Online

Notícia(s) do Dia: Antigo administrador diz que Sócrates recebeu dinheiro para passar licença (Ah sim?)




Antigo administrador diz que Sócrates recebeu dinheiro para passar licença


Alan Perkins disse em tribunal que as verbas pagas rondaram os 200 mil ou 220 mil euros e que, ao longo do licenciamento, fizeram-se outros pagamentos a diferentes pessoas.


Antigo administrador da empresa proprietária do Freeport de Alcochete, Alan Perkins, disse hoje que foram feitos pagamentos ilegais a José Sócrates e outro alto representante para obter a licença ambiental necessária para a construção do "outlet".

Perkins está a ser ouvido como testemunha, esta manhã, no Tribunal do Barreiro, onde decorre o julgamento do Caso Freeport.

O antigo administrador, que entrou para a empresa em 2005, revelou que Charles Smith lhe contou que em 2001 tinham sido feitos pagamentos ilícitos sem os quais a licença ambiental não teria sido conseguida. Uma das pessoas a receber esse pagamento teria sido o ministro do Ambiente - na altura José Sócrates - e a licença terá sido passada na sua última semana em funções.

Alan Perkins referiu ainda que as verbas pagas rondavam os 200 mil ou 220 mil euros e que, ao longo do licenciamento, terá havido mais verbas pagas a outras pessoas.

A testemunha adiantou, ainda, que a Freeport era da opinião de que sem pagamentos o projecto "não andava". Por isso, Charles Shmith era um intermediário.

O caso Freeport foi originado por suspeitas de corrupção, tráfico de influências e financiamento de partidos políticos para que fosse alterada a Zona de Protecção Especial do Estuário do Tejo com vista ao licenciamento daquele empreendimento comercial em Alcochete. O licenciamento do projecto data de 2002, quando o ministro do Ambiente era José Sócrates, que mais tarde veio a ser primeiro-ministro.



Fonte: Renascença ONLINE

Livros que merecem ser lidos...


BAUNILHA E CHOCOLATE
Sveva Casati Modignani

Baunilha e chocolate: um contraste de cores e de sabores...que, no entanto, combinam muito bem. Como acontece, por vezes, no amor. Como aconteceu com Penelope e Andrea, duas pessoas de carácter e sensibilidade muito diferentes que, apesar disso, se amaram, casaram, tiveram três filhos e juntos partilharam os altos e baixos de um casamento que dura já há dezoito anos. Mas a certa altura a mágica alquímia quebra-se: Penelope, cansada das muitas e mal disfarçadas traições do marido, desiludida com o seu comportamento egoísta e infantil, abandona-o para reflectir sobre a forma de salvar a sua união e para o deixar a braços com mil e um problemas da família, que até àquele momento caíram apenas sobre os seus ombros. Agora é a vez de ele superar as dificuldades. Para Andrea é um choque, porque, no fundo, nunca deixou de considerar Penelope como a única mulher da sua vida, aquela com quem sempre pôde contar. Para ambos, a separação é a oportunidade para fazerem um balanço das respectivas existências, para olharem para dentro de si mesmos com a sinceridade impiedosa e para reviver o próprio passado, tentando compreender a causa de tantos erros e de tantas escolhas mal feitas. Mas neste percurso penoso, emerge pouco a pouco aquilo que ambos sempre souberam: o amor que os uniu ainda está vivo. Ferido, maltratado, resistiu aos assaltos do tempo e pôde ainda gerar alegria e felicidade.

Cheio de humor na descrição das cenas da vida quotidiana, doce e nostálgico na evocação do passado dos protagonistas, comovente na forma como regista as suas fraquezas tão humanas, Baunilha e Chocolate é a história que todos gostaríamos de ler...para não perder a esperança, para reencontrar a confiança, para compreender mais alguma coisa sobre nós próprios.
Publicado pelas EDIÇÔES ASA, em 2002, tem 416 páginas.



segunda-feira, 21 de maio de 2012

Livros que merecem ser lidos...


VOLTEI À ESCOLA
Daniel Sampaio

Com Voltei à Escola, Daniel Sampaio volta também ao contacto com os seus leitores.
Uma vez mais, o centro das suas preocupações são os jovens. Desta vez mostra-no-los lá onde os grandes problemas dos «verdes anos» se manifestam talvez com maior clareza: a escola. A relação dos jovens entre si,a relação com os jovens com os adultos professores (e vice-versa). Aqui tudo está implicado, tudo se revela.
Mas nem sempre jovens e adultos conseguem ver com clareza, sem preconceitos ou ideias feitas, o que se passa em volta. Com a leitura de Voltei à Escola, tudo se torna para nós mais claro - a juventude tem futuro, a escola tem solução.
Livro publicado pela Editora CAMINHO, em 1996, tem 219 páginas.



Í N D I C E

Nota Prévia

Cenários

Voltei mesmo à escola

Encruzilhadas

Conversa sobre a escola

Um outro clima escolar

Epílogo

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Livros que merecem ser lidos...


A ANÁLISE DOS SITEMAS POLÍTICOS
Jean-William Lapierre

Esquematizando os pontos essenciais abordados nesta obra: O que é um sistema? O qué é um sistema social? O que é um sistema político? Conceitos fundamentais de um modelo de análise.
Professor de Sociologia na Universidade de Nice, Jean-William LAPIERRE, é simultaneamente o fundador e director do Laboratório de Sociologia da mesma Univesidade.
A sua obra é vastíssima, colaborador ra revista Espirit, desde 1946, publicou artigos em numerosas revistas científicas tais como: Revenue Française de Sociologie, Revenue Français de Science Politique, Revenue Française de Pedagogie, Cahiers Internationaux de Sociologie, Sociologie Internationalis (Berlim), Revenue de I'institut de Sociologie (Bruxelas), Revenue Européenne des Sciences Sociales (Genebra), Cahiers de la Société Historique Acadienne (Moncton, Canadá), etc..
Leccionaou e proferiu conferências em diversas Universidades estrangeiras: Moncton, Nouveau-Brunswick, Canadá; Bucarest, Iasi, Cluj-Napoca, Roménia; Liége e Louviana, Bélgica; Universidade de Laval, Montreal Trois-Rivières, Quebec; etc.
Menconamos alguns dos mais importantes títulos de autoria do Professor Jean-William LAPIERRE: "Le Pouvoir Politique", "Essai sur le fondement du pouvoir politique"; Vivre sans Etat? Essai sur le pouvoir politique et I'innovationm sociale", tendo participado em várias obras colectivas, em particular, "Sociologie des Mutations", sob a direcção de Georges Balandier.
Do prefácio para a edição em língua portuguesa de «A Análise dos Sistemas Políticos», que foi elaborado pelo regente do curso de ciência pol+itica, da Faculdade de Direito, Dr. João Jorge FERREIRA LOURENÇO, salientamos; "Trata-se de uma obra que conseguiu uma felicíssima e rar simbiose entre um assinalável mérito pedagógico - sobretudo pela constante chamada à colação de factos políticos da História, mais ou menos recentes, proporcionando uma nítida perceptividade dos problemas inerentes à implementação dos modelos analisados, ilustrando-os, por essa forma - e um notório interesse científico fazenso ius, desenvolvendo e actualizando uma abordagem metodológica verdadeiramente integradad, no campo da ciência política...".
Livro publicado pelas EDIÇÕES ROLIM, Lisboa, com 232 páginas.



Í N D I C E

Prefácio da edição portuguesa
Introdução

Primeira Parte - De que se trata?

Capítulo I - Que é um modelo teórico

Capítulo II - Que é um sistema político?
a) Que é um sistema?
b) Que é um sistema social?
c) Que é um sistema político?
d) Conceitos fundamentais do modelo de análise

Segunda Parte - O que entra no Sistema Político

Capítulo I - Exigências, recursos e limitações
a) Exigências políticas
b) Os recursos e as limitações políticas

Capítulo II - A entrada de exigências e recursos
a) A filtragem de exigências
b) A mobilização dos recursos

Terceira Parte - O que se passa num Sistema Político

Capítulo I - A redução de exigências
a) A selecção
b) A ordem de prioridades
c) A combinação das exigências

Capítulo II - A competição de exigências
a) Sistemas programado e sistema decisional
b) Convergências e divergências, compatibilidades e incompatibilidades entre exigências políticas
c) A determinação de problemas críticos
d) Elaboração e propostas de soluções

Capítulo III - A tomada de decisão
a) Diferenciação dos papeis e níveis de decisão
b) As incertezas na decisão política
c) Margens de escolha e riscos calculados
d) Processo de influência, poder formal e poder efectivo

Quarta Parte - O que sai de um Sistema Político e o que daí resulta

Capítulo I - A execução das decisões
a) O aparelho de execução
b) O consentimento à obediência
c) A coerção e os instrumentos da força pública

Capítulo II - Os processos de retroação
a) Resultados, repercussões, retroacção
b) Informação retroactiva e processo de controlo
c) A retroacção directa; auto-regulação e auto-transformação do sistema político

Conclusão

quarta-feira, 16 de maio de 2012

O Mundo que nos Rodeia: Um rapazola a quem calhou ser primeiro-ministro


Por: DANIEL OLIVEIRA



Um rapazola a quem calhou ser primeiro-ministro



"Estar desempregado não pode ser um sinal negativo. Despedir-se ou ser despedido não tem de ser um estigma. Tem de representar também uma oportunidade para mudar de vida. Tem de representar uma livre escolha, uma mobilidade da própria sociedade." Pedro Passos Coelho


Há pessoas que tiveram uma vida difícil. Por mérito próprio ou não, ela melhorou. Mas não se esqueceram de onde vieram e por o que passaram. Sabem o que é o sofrimento e não o querem na vida dos outros. São solidárias. Há pessoas que tiveram uma vida difícil. Por mérito próprio ou não, ela melhorou. Mas ficaram para sempre endurecidas na sua incapacidade de sofrer pelos outros. São cruéis. Há pessoas que tiveram uma vida mais fácil. Mas, na educação que receberam, não deixaram de conhecer a vida de quem os rodeia e nunca perderam a consciência de que seus privilégios são isso mesmo: privilégios. São bem formadas. E há pessoas que tiveram a felicidade de viver sem problemas económicos e profissionais de maior e a infelicidade de nada aprender com as dificuldades dos outros. São rapazolas.

Não atribuo às infantis declarações de Passos Coelho sobre o desemprego nenhum sentido político ou ideológico. Apenas a prova de que é possível chegar aos 47 anos com a experiência social de um adolescente, a cargos de responsabilidade com o currículo de jotinha, a líder partidário com a inteligência de uma amiba, a primeiro-ministro com a sofisticação intelectual de um cliente habitual do fórum TSF e a governante sem nunca chegar a perceber que não é para receberem sermões idiotas sobre a forma como vivem que os cidadãos participam em eleições. Serei insultuoso no que escrevo? Não chego aos calcanhares de quem fala com esta leviandade das dificuldades da vida de pessoas que nunca conheceram outra coisa que não fosse o "risco".

Sobre a caracterização que Passos Coelho fez, na sua intervenção, dos portugueses, que não merecia, pela sua indigência, um segundo do tempo de ninguém se fosse feita na mesa de um café, escreverei amanhã. Hoje fico-me pelo espanto que diariamente ainda consigo sentir: como é que este rapaz chegou a primeiro-ministro?



Fonte: EXPRESSO, 14-05-2012

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Notícia(s) do Dia: Schäuble diz que zona euro está em condições de suportar saída da Grécia (Parece que estão a preparar a sua saída)




Schäuble diz que zona euro está em condições de suportar saída da Grécia


O ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, afirmou hoje, em entrevista ao jornal Rheinische Post, que a zona euro "está mais resistente" e tem condições para suportar uma saída da Grécia da moeda única.

Os riscos de contágio a outros países são agora menores e a eurozona no seu conjunto é mais resistente", garantiu o político democrata-cristão.

Simultaneamente, Schäuble exortou a Grécia a cumprir os compromissos assumidos com a comunidade internacional, afirmando que os países da Europa e os credores privados de Atenas "já foram bastante generosos".

O ministro alemão disse ainda que se fez "tudo o que foi possível" para salvar a Grécia da bancarrota, mas que "o país tem de compreender que é necessário respeitar os seus compromissos".

"É perigoso fazer crer aos cidadãos que há outro caminho, mais fácil, para sanear as suas finanças e evitar a austeridade, o que é um disparate", declarou.

Entretanto, decorre em Atenas a terceira tentativa para formar novo Governo, após as legislativas de domingo passado, em que nenhum partido obteve maioria absoluta.

Depois do fracasso dos conservadores e da esquerda radical, cabe agora aos socialistas do PASOK tentar formar uma coligação e evitar novas eleições, num momento em que as dificuldades financeiras do país se adensam.

Na mesma entrevista, Schäuble rejeitou também a adoção de programas de crescimento na zona euro fomentados por novas dívidas.

"Pegar em dinheiro que não se tem, não é fazer política de crescimento, esse é o caminho errado", disse o ministro alemão, advertindo que Berlim irá ter muita atenção a este aspeto nas negociações a nível europeu para uma nova estratégia de crescimento. A aprovar no Conselho Europeu de 28 de junho.

Para Schäuble, o aumento da procura privada, base do crescimento, "deve ser reforçado, fomentando a confiança dos consumidores e investidores nas finanças públicas".

Por isso, a questão fulcral de uma estratégia de crescimento para os países do euro é reforçar a sua competitividade, através de mais reformas estruturais, sublinhou.

Fonte: Agência LUSA

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Livros que merecem ser lidos...


TRANSFORME O SEU FILHO ATÉ SEXTA
Dr. Kevin Leman

Quer um filho com a atitude correcta? Sem o tipo de comportamento que o leva a esquivar-se da mercearia e fingir que não é o pai ou a mãe? Um filho com carácter que seja mais do que um "personagem"? Se está farto de atitudes desafiadoras e lutas de poder com os seus pequenos terríveis ou o grupo hormonal da falta de respeito, leia este livro, siga os princípios simples e terá um novo filho até sexta. É garantido.

Transforme o seu filho até sexta é o plano de acção de 5 dias - de segunda a sexta-feira - que, de facto, resulta! Com a psicologia perspicaz e bom senso a que nos habituou o Dr. Kevin Leman, especialista em psicologia familiar internacionalmente reconhecido, revela o motivo que leva os seus filhos a agirem como agem e o que pode fazer para evitá-lo - começando neste preciso momento.

Qualquer um pode fazê-lo. Basta decidir enfrentá-los e tomar as rédeas da situação. Quer um filho fantástico? Quer ser um excelente pai? Então aceite este desafio de 5 dias. Um dia, o seu filho há-de agradecer-lhe.
Livro da editora SMARTBOOK, editado em Março de 2010, com 268 páginas.



Í N D I C E

Introdução

Estão unidos...e cada vez mais fortes

Segunda-Feira
De onde é que eles apareceram?

Terça-Feira
Desarmar o bacano (ou bacana) com a "bacanice"

Quarta-Feira
Mostre-se um professor severo, e eu mostro-lhe um bom professor (tudo depende da perspectiva)

Quinta-Feira
E se eu danificar a psique deles? (Hum... o que é uma psique?)

Sexta-Feira
O especialista detém o poder... E o especialista é você.

Pergunte ao Dr. Leman
Planos de acção de A a Z que resultam

Epílogo
Dia de festa

Contagem decrescente dos "10 melhores conselhos para transformar o seu filho até sexta-feira"

Notas

Sobre o Dr. Kevin Leman

Índice de Tópicos de A a Z

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Notícia(s) do Dia: Soares defende que PS deve romper acordo com 'troika'




Soares defende que PS deve romper acordo com 'troika'


O fundador do PS e antigo Presidente da República Mário Soares defende que o Partido Socialista deve romper com o acordo da 'troika', alegando que a situação evoluiu e que a austeridade não funciona no país.

Em entrevista hoje publicada no jornal i, Mário Soares diz que o caminho certo para o PS e para o socialismo europeu é cortar com o programa da ‘troika’ constituída pelo Banco Central Europeu, o FMI e a Comissão Europeia.

«Acho que é esse o caminho. A austeridade, tal como a definem, não tem sentido», afirma, considerando que a obrigação já foi assumida há um ano, mas que «chegou ao fim».

Para Mário Soares, não há razões para o PS se manter fiel ao acordo assinado em 2011 com aquela entidade, porque «tudo evoluiu: o acordo da ‘troika’, a ‘troika’ e o país».

Admitindo que a obrigação de cumprir o acordo que o PS sentiu durante um tempo fez sentido - já que o pedido de ajuda financeira foi feito pelo então primeiro-ministro e líder do PS, José Sócrates -, Mário Soares refere que, hoje, se vive uma situação de pré-ruptura.

Se a ruptura não acontecer devido ao PS, «poderá ser a própria ‘troika’ que vai ao ar», afirmou o ex-Presidente da República.

«A ‘troika’ está dividida. O Fundo Monetário Internacional tem uma posição, o banco Central Europeu tem outra, a Comissão Europeia tem outra», afirmou, considerando que esse desacerto de posições e a situação que a Europa atravessa podem levar à implosão da ‘troika’.

«Os dirigentes europeus, quase todos já perceberam que reduzir a União Europeia à austeridade e aos equilíbrios financeiros para favorecer os mercados usurários e sem ter em conta a recessão económica e o desemprego avassalador que está a crescer implica que a Europa vai de mal a pior», considerou

Fonte: LUSA/SOL

Livros que merecem ser lidos...


AS REGRAS DA ARTE
Pierre Bourdieu

Este aprofundado estudo sobre as Regras da Arte representa a irreverente intervenção de um dos mais brilhantes sociólogos de França num já longo debate em torno da «especificidade da obra literária» e da sua suposta «inefabilidade». Sem de modo nenhum anular i papel do «criador», Bourdieu vem no entanto questionar a ilusão da omnipotência do génio, fazendo submeter a produção literária à noção de «campo» trazida da sociologia. Ele parte de uma leitura de L'Éducation Sentimentale para pôr em evidência toda a rede de forças que artícula o espaço social da obra, homólogo de espaço social em que ela foi escrita. Este trabalho prévio é particularmente útil para a compreensão da génese do universo literário, com os seus diversos agentes, tal como hoje conhecemos - e que remonta precisamente ao século XIX -, servindo com grande precisão o objectivo de Bourdieu: compreender o trabalho específico que o artista deve cumprir (e o escritor em particular), tanto contra aquilo que o determina como graças ao que recebe, para se produzir como sujeito da sua própria criação. Ao pôr em evidência as regras da arte, essa lógica a que obedecem tanto os escritores como as instituições literárias, Bourdieu cria assim os fundamentos de uma ciência das obras, cujo objecto é não só a sua produção material mas também a do seu valor.
Livro publicado pela Editorial Presença, em 1996, com 398 páginas.


Í N D I C E

Abertura

Prólogo. Flaubert analista de Flaubert

Lugares, colocações, deslocamentos
A questão da herança
Ps acidentes necessários
O poder da escrita
A fórmula de Flaubert
Anexo 1. Resumo de A Educação Sentimental
Anexo 2. Quatro Leituras de A Educação Sentimental
Anexo 3. A Paris de A Educação Sentimental

Primeira Parte - Três Estados do Campo

1. A Conquista da Autonomia. A fase crítica da emergência do campo
Uma subordinação estrutural
A boémia e a invenção de uma arte de viver
A ruptura com o «burguês»
Baudelaire nomoteta
As primeiras chamadas à ordem
Uma posição a fazer
A dupla ruptura
Uma mundo económico de pernas para o ar
Posições e disposições
O ponto de vista de Flaubert
Flaubert e o «realismo»
«Escrever bem o medíocre»
Regresso à Educação Sentimental
Dar forma
A invençaõ da estética «pura»
As condições éticas da revolução estética

2. A emergência de uma estrutura dualista
As particularidades do género
Diferenciação dos géneros e unificação do campo
A arte e o dinheiro
A dialéctica da distinção
Revoluções específicas e mudanças externas
A invenção do intelectual
Os intercâmbios entre escritores e pintores
Pela forma

3. O Mercado dos bens simbólicos
Duas lógicas económicas
Dois modos de envelhecimento
Fazer época
A lógica da mudança
Homologias e efeito de harmonia preestabelecida
A produção e a crença
 
Segunda Parte - Fundamentos de uma Ciência das Obras
 
1. Questões de Método
Um novo espirito científico
Doxa literária e resistência à objectivação
O «projecto orifinal», mito fundador
O ponto de vista de Tersites e a falsa ruptura
O espaço dos pontos de vista
A separação das alternativas
Objectivar o sujeito da objectivação
Anexo: O intelectual total e a ilusão da omnipotência do pensamento
 
2. O Pontio de vista do autor. Algumas propriedades gerais dos campos de produção cultural
O campo literário dentro do campo do poder
O nomos e a questão dos limites
O illusio e a obra de arte como fetiche
Posição, disposição e tomada de posição
O espaço dos possíveis
Estrutura e transformação; lutas internas e revolção permanente
Reflexividade e «ingenuidade»
A oferta e a procura
Lutas internas e sanções externas
O encontro de duas histórias
O habitus e os possíveis
A dialéctica das posições e das disposições
Formação e dissolução dos grupos
Uma transcendência da instituição
«A desmontagem ímpia da ficção»
Anexo: Efeito de campo e formas de conservadorismo
 
Terceira Parte - Compreender o Compreender
 
1. A Génese histórica da estética pura
A análise de essência e a ilusão do absoluto
A anamnese histórica e o retorno do recalcado
As categorias históricas da percepção artística
As condições de leitura pura
Miséria do a-historismo
A dupla historicização
 
2. A génese-social do olhar
O olhar do quatrocento
O fundamento da ilusão carismática
 
3. Uma teoria em acto da leitura
Um romance reflexivo
Tempo da leitura e leitura do tempo
 
Da Capo
 
A Ilusão e a Illusio
 
Pos-Scriptum
 
Por um corporativismo do universal
 
Índice de Conceitos
Índice Onomástico



segunda-feira, 7 de maio de 2012

Notícia(s) do Dia: "Presidente Hollande, Paris não dorme"




"Presidente Hollande, Paris não dorme"

Dezenas de milhares de pessoas encheram esta noite a Praça da Bastilha e as ruas adjacentes, em Paris, para festejar a vitória socialista e ver o novo Presidente, que só chegou ao local depois da meia-noite.

Pessoas das mais variadas origens, bandeiras de todas as nacionalidades e das diversas tendências da esquerda, famílias inteiras na confusão, telefones móveis sem rede, muita música e milhares e milhares de jovens.

Esta noite, na zona da Bastilha, em Paris, a concentração de manifestantes era tão densa que, para atravessar a histórica praça, era preciso coragem, grande paciência, não sofrer da fobia das multidões e não recear encontrões nem calcadelas.

Paris festejou, esta noite, a mudança de Presidente de uma forma tão apaixonada que parecia, por momentos, estar a celebrar a chegada ao paraíso. A vitória foi por escassa margem, mas o que as pessoas festejavam era sobretudo o fim de Nicolas Sarkozy.

"Sarkozy foi um acidente em França e, agora, que perdeu a imunidade presidencial, vai ter de responder à justiça devido aos escândalos em que se meteu", dizia um jovem. A aversão a Sarkozy era um dos aspetos mais salientes da emotiva manifestação.
"Somos uma esperança para a Europa"

A festa desta noite na Bastilha evocava maio de 1981, quando o socialista, François Mitterrand, conquistou o Eliseu derrotando Valéry Giscard D'Estaing. Para um português, lembrava também um pouco o ambiente dos dias de euforia que se seguiram ao 25 de Abril de 1974.

Os parisienses, esta noite, não desejavam pensar no dia de amanhã, na crise, e na realidade da governação do futuro poder socialista. "Temos direito de sonhar, Presidente Hollande, Paris não dorme!", exclamava um jovem.

Quando o novo chefe do Estado chegou ao local pouco depois da meia-noite (hora de Paris), foi recebido por um clamor estrondoso. Ele sorriu, satisfeito, agradeceu e disse à multidão: "obrigado, recebi a vossa força, percebo-vos, vamos ter de reparar estes anos de penas que vocês sentiram, quero ser o Presidente de todos vós, quero reunir o povo francês e reconstruir a nação francesa na sua diversidade, sem rancores nem vinganças".

Incessantemente aclamado, falou da Europa: "Somos uma esperança para a Europa, temos de acabar com a austeridade e, para além dos governos, por todo o lado, há povos que pensam como nós que querem uma alternativa, estamos a iniciar um movimento que vai muito além da França, fiquem orgulhosos de ser franceses!".

As famílias e os mais velhos encetaram depois o regresso a suas casas e os mais jovens continuaram na Praça. "Queremos continuar a saborear este sonho e esta vitória de hoje, mas sabemos que a realidade regressa amanhã", explicou um estudante.

Fonte: Expresso ONLINE

terça-feira, 1 de maio de 2012

Livros que merecem ser lidos...


UM MUNDO INQUIETANTE
Mário Soares

"Para onde caminha o mundo se deixarmos aprofundar o fosso que separa irremediavelmente os ricos - os imensamente ricos - dos pobres, mesmo nas sociedades mais desenvolvidas? Se nada fizermos para regulamentar a ordem internacional, no sentido da paz, da justiça e do direito - revigorando a ONU e recusando o 'directório dos países ricos', criado com que legitimidade? Se não formos capazes de corrigir os atentados contra os equilíbrios ecológicos do Planeta, que estão a pôr em risco a biodiversidade e a própria sobrevivência da espécie humana? Se não conseguirmos dar resposta - e de forma global - aos desafios com que estamos confrontados, neste nosso novo século, que ultrapassam obviamente os Estados nacionais e pressupõem uma consciência ou uma cidadania global?"
Um Mundo Inquietante reúne um conjunto de textos inéditos e artigos publicados em jornais sobre variados temas actuais e polémicos como a globalização, a Cimeira da Terra, a Convenção Europeia, a estratégia antiterrorista, o 11 de Setembro, o regresso dos Bush e do Partidos Republicano, a guerra no Iraque e o antiamericanismo.
Livro da Editora, TEMAS & DEBATES, com 360 páginas e publicado em 2003, reúne uma série de documentos muito interessantes, a ler.





Í N D I C E

Prefácio

Parte I - QUESTÕES DA GLOBALIZAÇÃO
No início do novo século
O Mundo está perigoso
O teste de Quioto
 O síndroma de Gotemburgo
A conferência de Durban
A cimeira de Génova
Ainda a globalização
O mesmo combate por caminhos diferentes
O Mundo entre Davos e Porto Alegre
Um mundo de complexas relações internacionais
Sáude e desenvolvimento
Um mundo dividido
Globalização e Organização Mundial de Comércio
A cimeira da Terra
o nosso oceano
Um ano difícil: 2003
Globalização e exclusão das cidades
Geoestratégia e mercado global

Parte II - SOBRE O DIÁLOGO INTER-RELIGIOSO
Laicismo e crenças religiosas no século XXI
Vozes universais da latinidade
Ecumenismo e civilização do universal
Latinidade e herança islâmica
O diálogo latino-iraniano
As incertezas do Mundo contemporâneo

Parte III - EUROPA EM MUDANÇA
No rescaldo de Nice
As eleições francesas
A grande Europa
A nova conjuntura europeia
O euro
o sismo francês
Repensar a Europa
Um novo ciclo?
Sobre a convenção europeia
A direita europeia
A Convenção Europeia
Sevilha e Schengen
O dólar e o euro
Vitória em contraciclo
A Europa em tormenta
Uma ambição europeia
Pobreza e alargamento
Copenhaga, o alargamento e o resto
Sinais inquietantes

Parte IV - CONTRA O TERRORISMO
O canto e as armas
E agora?
Para onde vamos?
Inversão de marcha?
Balanço triste, sem perder a esperança
Os caminhos para a paz no contexto da mundialização do terrorismo
Estratégia antiterrorista: uma breve reflexão
Um Mundo sem norte
Sobre o 11 de Setembro

Parte V - ENTRE A PAZ E A GUERRA
O pecado original
O Iraque de novo
Bush na Europa
No «eixo do mal»
De Monterrey a Beirute: a mesma certeza
A sangrenta guerra de Israel
Missão impossível
Bush, Europa e a lei da força
Sobre o Tribunal Penal Internacional
O grande dilema
A guerra preventiva
Entre o medo e a esperança

Parte V - SOBRE A GUERRA NO IRAQUE
Europa Federal ou Inião de Estados Nacionais?
Cenários de guerra
O antiamericanismo e a «Velha Europa»
A lógica da guerra e a «frente da recusa»
O braço-de-ferro
O tempo a esgotar-se
A guerra preventiva
Uma guerra ilegítima
A paz ainda e sempre
A caixa de Pandora
No rescaldo da guerra
O triunfo dos aiatolas