terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Notícia(s) do Dia: Universidade de Coimbra lança primeiro radiofármaco português



Universidade de Coimbra lança primeiro radiofármaco português


A Universidade de Coimbra lança esta semana o primeiro radiofármaco português. Trata-se de um medicamento para o diagnóstico do cancro que já foi autorizado pelo Infarmed.

O radiofármaco vai chegar ao mercado depois de uma investigação clínica que envolveu mais 1.500 doentes. A sessão de lançamento está marcada para a próxima sexta feira, em Coimbra.

O radiofármaco português surge no mercado depois de uma década de investigação. É desenvolvido no Instituto de Ciências Nucleares Aplicadas à Saúde (ICNAS) da Universidade de Coimbra e a produção atingida chega já para cobrir as necessidades do mercado nacional.

O medicamento é injectado nos doentes e permite perceber a evolução da doença oncológica. Uma das grandes vantagens do radiofármaco português é a sua grande estabilidade, explica o vice-reitor para a investigação e director técnico para a produção do ICNAS, Amílcar Falcão, em declarações à Renascença.

“A radioactividade perde-se à medida que o tempo passa e nós, ao estarmos a produzir em Coimbra e ao podermos distribuir para Lisboa e Porto, que ficam a duas horas de caminho, nós conseguimos fazer chegar o radiofármaco com um maior grau de radioactividade, portanto, mais interessante do que quando ele vem de Madrid ou Sevilha, que demora o triplo do tempo em cá chegar.”

Outra vantagem é produzir a molécula em metade do tempo em relação à concorrência e ter uma estabilidade maior.

A partir de agora, Portugal deixa de depender da produção espanhola de radiofármacos. A proximidade na distribuição torna-se assim num grande trunfo, sublinha Amílcar Falcão.

“Por exemplo, um médico e os doentes que estejam preparados para fazer um exame às 8h00, nós colocamos o radiofármaco às 8h00, 8h05 no máximo, ao passo que já tem acontecido muitas vezes esses exames terem de ser desmarcados e serem marcados para outro dia, dado o atraso”, explica o vice-reitor para a investigação e director técnico para a produção do ICNAS.

O radiofármaco que chega agora ao mercado farmacêutico português é uma das muitas moléculas em desenvolvimento no ciclotrão da Universidade de Coimbra, que prevê "lançar nos próximos três a quatro anos seis novos medicamentos.


Fonte: RENASCENÇA ONLINE

Notícia(s) do Dia: Governo aproxima regras laborais da Função Pública e dos privados




Governo aproxima regras laborais da Função Pública e dos privados


O Governo prepara-se para apresentar, em Fevereiro, aos sindicatos da função pública uma proposta para aproximar as regras laborais dos trabalhadores do Estado às do sector privado, apurou o Diário Económico. Um dos pontos será a redução dos quatro feriados nacionais, acordada na concertação social, mas as alterações não ficam por aqui.

"Um dos pontos que irá estar em cima da mesa é a possibilidade de revisão do Regime do Contrato de Trabalho em Funções Públicas (RCTFP), por causa da questão dos feriados", revelou ao Diário Económico o secretário de Estado da Administração Pública, Hélder Rosalino. Isto porque o fim dos quatro feriados - Corpo de Deus, 15 de Agosto, 5 de Outubro e 1 de Dezembro - foi uma medida acordada na concertação social e, para ser válida também para a função pública terá de ser integrada no RCTFP.

Aliás, a proposta que altera os feriados e outras matérias laborais que neste momento está em cima da mesa apenas diz respeito ao Código do Trabalho (sector privado). A versão preliminar, saída do acordo da concertação social esteve ontem a ser discutida numa reunião informal entre parceiros sociais e volta amanhã à concertação social.


Fonte: Diário ECONÒMICO ONLINE

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Notícia(s) do Dia: CGTP: sai Carvalho da Silva, entra Arménio Carlos



CGTP: sai Carvalho da Silva, entra Arménio Carlos

A CGTP viveu hoje um marco da sua história, no encerramento do XII Congresso da Intersindical, com Manuel Carvalho da Silva a dar lugar a Arménio Carlos no cargo de secretário-geral.

A reunião magna decorreu durante dois dias em Lisboa sob o lema 'Portugal Desenvolvido e Soberano, Trabalho com Direitos', tema que reflecte a conjuntura actual, mas que poderia ser substituído pela 'renovação e rejuvenescimento'.

No dia em que se completam 35 anos sobre a realização do II Congresso da CGTP, o emblemático congresso de todos os sindicatos, saíram os últimos históricos que entraram nessa data: Manuel Carvalho da Silva, Maria do Carmo Tavares e Manuel Freitas.

O discurso de Carvalho da Silva, que sai após 35 anos de direcção e 25 de liderança, marcou a abertura dos trabalhos pela exaustividade da análise conjuntural feita.

Com a saída dos mais velhos, a média etária do Conselho Nacional da CGTP, composto por 147 elementos, passou para os 48 anos.

Ao longo dos dois dias de trabalho, as críticas ao recente acordo de concertação social foram uma constante, bem como às políticas do Governo PSD/CDS, denunciadas como a imposição de sucessivos sacrifícios aos trabalhadores.

No congresso foram aprovados uma Carta Reivindicativa para apresentar ao Governo e ao patronato e o programa de acção da CGTP para os próximos quatro anos, que define detalhadamente todas as áreas de intervenções da central sindical.

O discurso de encerramento ficou a cargo do novo secretário-geral, Arménio Carlos, que se alongou nas críticas à política do Governo e nas apostas para o futuro sindical.

Arménio Carlos acusou o Governo de estar a destruir a economia e a promover «perigosas rupturas na sociedade» e a destruição do Estado Social.

O novo secretário-geral da CGTP apelou para a unidade na acção a partir dos locais de trabalho, contra a retirada de direitos laborais e sociais.

O congresso foi encerrado com alguma emoção, com fortes aplausos dos congressistas aos sindicalistas que saem, mas também aos que agora entram.



Fonte: LUSA/SOL

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

À Volta com a Economia:SÍNTESE ECONÓMICA DE CONJUNTURA-Dezembro de 2011


Preços

Em 2011, a taxa de variação média do IPC foi de 3,7% (1,4% em 2010). Este resultado terá traduzido o crescimento bastante acentuado do preço dos produtos energéticos e o aumento da taxa de normal do IVA a partir de Janeiro de 2011. Destacam-se ainda, de entre as medidas com impacto no IPC, o aumento dos preços dos transportes, a partir de Agosto de 2011, e o agravamento da taxa do IVA que incide sobre os preços da electricidade e do gás natural, de 6% para 23%, no mês de Outubro. Mensalmente, a variação homóloga do IPC situou-se em 3,6% em Dezembro, menos 0,4 p.p. que no mês anterior. O indicador de inflação subjacente (IPC total excluindo bens energéticos e alimentares não transformados) situou-se em 2,3% em Dezembro, mais 0,2 p.p. que no mês anterior. No conjunto do ano de 2011, a taxa de variação média deste indicador foi de 2,3% (0,3% em 2010). Analisando a desagregação do IPC entre bens e serviços, a desaceleração do índice total em Dezembro deveu-se à componente de bens, que passou de uma variação homóloga de 5,0% em Novembro para 4,4%. Por sua vez, a componente de serviços registou crescimentos homólogos de 2,3% e 2,5% em Novembro e Dezembro, respectivamente. Note-se que, em 2011 a componente de bens registou uma variação média anual superior à da componente de serviços (ver caixa). O IHPC, cuja estrutura de ponderação difere da do IPC por incluir a despesa de não residentes no país e excluir a despesa de residentes no exterior, apresentou uma variação homóloga de 3,5% em Dezembro (3,8% no mês anterior). Em Portugal, o IHPC tem vindo a apresentar um crescimento homólogo superior ao da AE desde Julho de 2010. Nos últimos dois meses esta diferença situou-se em 0,8 p.p. (1,0 p.p. em Outubro). Em termos
 anuais, a variação média do IHPC passou de 1,4% em 2010 para 3,6% em 2011, registando-se um diferencial face à AE de 0,9 p.p. (-0,2 p.p. no ano anterior). Os saldos das apreciações dos consumidores sobre a evolução passada e futura dos preços diminuíram em Dezembro, de forma mais expressiva no segundo caso, interrompendo os respectivos movimentos crescentes anteriores. No mesmo mês, o SRE das expectativas de evolução dos preços praticados pelas empresas diminuiu na indústria transformadora, nos serviços, no comércio e na construção e obras públicas, atingindo no último caso o mínimo da série. O índice de preços na produção da indústria transformadora desacelerou, passando de uma taxa de variação homóloga de 5,4% em Outubro para 5,3% em Novembro. Excluindo as componentes energética e de alimentares não transformados, este índice apresentou um crescimento homólogo de 1,8% em Novembro (2,1% no mês anterior). A taxa de variação homóloga do índice cambial efectivo nominal para Portugal passou de -0,5% em Outubro para -0,3% em Novembro, enquanto a taxa de variação em cadeia situou-se em -0,1% (variação nula no mês anterior).

Fonte: INE

Notícia(s) do Dia: Não faz sentido nenhum acabar com os feriados




Não faz sentido" acabar com os feriados

O antigo presidente da República considera que não faz "sentido nenhum" acabar com o feriado do 5 de Outubro e 1º de Dezembro.


"Como socialista, laico e republicano dos sete costados, custa-me um bocado a engolir", sublinhou Mário Soares, à entrada para uma conferência sobre "A crise europeia e Portugal", promovida pela Fundação Inês de Castro.

Apesar de admitir que pode haver muitos feriados e pontes, o fundador do Partido Socialista acha que "não é por aí [extinção dos feriados] que se vai resolver os problemas do País".

O Governo vai propor aos parceiros sociais a eliminação do 05 de Outubro e do 1.º de Dezembro, da lista de feriados obrigatórios, anunciou hoje o ministro da Economia, Álvaro Santos Pereira. Em conferência de imprensa, no final do Conselho de Ministros, Álvaro

Santos Pereira adiantou que o Governo vai propor aos parceiros sociais a eliminação de igual número de feriados religiosos.

No 5 de Outubro celebra-se a Implantação da República e no 1.º de Dezembro a Restauração da Independência.

Fonte: Diário ECONÓMICO ONLINE

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

À Volta com a Economia:SÍNTESE ECONÓMICA DE CONJUNTURA-Dezembro de 2011




Mercado de Trabalho


A variação homóloga do indicador de emprego dos ICP situou-se em -4,3% em Novembro (-3,7% em Outubro), reforçando o perfil descendente observado desde o início de 2011, em resultado da evolução negativa registada em todos os sectores. Nos serviços, este indicador passou de uma variação homóloga de -3,3% em Outubro para -4,0% em Novembro, intensificando o agravamento verificado continuamente desde Janeiro e fixando o valor mais baixo da série iniciada em 2001. O indicador de emprego da construção e obras públicas apresentou uma redução homóloga de 11,3% em Novembro (variação de -10,8% no mês anterior), atingindo um novo mínimo para a série, na sequência da tendência negativa observada desde Maio de 2008. Na indústria, o indicador de emprego registou variações
 homólogas de -1,0%, -1,3% e -1,6% entre Setembro e Novembro, respectivamente. De acordo com a informação publicada pelo IEFP, as ofertas de emprego registadas ao longo do mês nos centros de emprego voltaram a apresentar uma forte redução homóloga em Dezembro, embora reforçando o movimento ascendente observado nos dois meses anteriores, passando de -20,0% em Novembro para -13,4%. O desemprego registado aolongo do mês nos centros de emprego aumentou em termos homólogos 21,4% e 26,8% em Novembro e Dezembro, respectivamente, mantendo o forte perfil ascendente observado continuamente desde Abril e fixando a taxa mais elevada desde Maio de 2009. Refira-se que o rácio entre as ofertas de emprego e o desemprego registados ao longo do mês voltou a diminuir em Dezembro, prolongando a trajectória descendente verificada desde Agosto de 2010 e atingindo um novo mínimo histórico para a série iniciada em 1990. As expectativas dos empresários sobre a evolução do emprego agravaram-se em Dezembro, mantendo o acentuado perfil decrescente observado desde Outubro de 2010 e fixando o valor mais baixo da série. No mês em análise, o SRE das expectativas de emprego diminuiu em todos os sectores, registando o mínimo histórico na construção e obras públicas e no comércio. Por sua vez, o saldo das perspectivas dos consumidores sobre a evolução do desemprego aumentou em Dezembro, prolongando a trajectória crescente iniciada em Novembro de 2009. Todavia, sem a utilização de médias móveis de três meses, este saldo diminuiu de forma ténue em Dezembro. Segundo o MTSS, a variação homóloga das remunerações médias mensais declaradas à Segurança Social situou-se em 2,9% em Novembro, mais 0,4 p.p. que no mês anterior.


Fonte: INE

Notícia(s) do Dia: Santos Ferreira abandona liderança do BCP




Santos Ferreira abandona liderança do BCP


O Millennium bcp vai mudar de presidente executivo e de modelo de governação já na próxima assembleia-geral extraordinária, a realizar a 28 de Fevereiro. Carlos Santos Ferreira afirmou ao Diário Económico que tenciona cumprir até ao fim o mandato para que foi eleito, como presidente executivo, mas acrescenta que, "mais dia ou menos dia, os accionistas quererão mudar o modelo de governação, e, nessa altura, outras pessoas terão de surgir".

A afirmação deixa implícito o que se vai seguir nas próximas semanas. A vontade dos principais accionistas, particularmente da Sonangol, que tem 15% do capital, é a de abrir um novo ciclo na vida do BCP, nomeadamente com a mudança de estatutos e a entrada no curto prazo de pelo menos um novo parceiro, provavelmente os chineses da ICBC. E não querem esperar pelo fim do actual mandato, que tem apenas um ano, para o concretizar.

Carlos Santos Ferreira escusa-se a confirmar oficialmente a informação do Diário Económico, mas responde, por escrito: "Tenciono cumprir até ao fim o mandato para que fui eleito de presidente do conselho de administração executivo. Dito isto, mais dia ou menos dia, os accionistas quererão mudar o modelo de governação, passando do actual modelo dualista para o denominado monista". Hoje, o BCP tem um conselho geral e de supervisão, presidido pelo embaixador António Monteiro, e que tem os representantes dos accionistas, e um conselho de administração executivo, presidido por Carlos Santos Ferreira, que gere operacionalmente o banco. O novo modelo passa pela criação de um conselho de administração, do qual sairá uma comissão executiva e um novo presidente, cujo nome continua em segredo.

Fonte: ECONÓMICO ONLINE

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Notícia(s) do Dia: Eusébio comemora 70 anos: «Parabéns, King»




Eusébio comemora 70 anos: «Parabéns, King»


Eusébio da Silva Ferreira, o maior símbolo do futebol português, completa nesta quarta-feira 70 anos, com mais de meio século de Portugal e de Benfica, desde a sua chegada a Lisboa no Inverno de 1960.
Nascido a 25 de Janeiro de 1942, Eusébio tornou-se a maior lenda do futebol português, não só ao serviço do Benfica, na década mais gloriosa do clube (anos 60), mas também da selecção nacional, com o terceiro lugar no Mundial de 1966.
Com o número 10 nas costas ao serviço das “águias” e o 13 com as “quinas”, o “Pantera Negra” teve os seus momentos mais altos no segundo título europeu do Benfica (5-3 ao Real Madrid) e no Mundial de Inglaterra 66, onde foi o melhor marcador.
A forma determinada e o espírito de sacrifício com que se entregou à profissão são, segundo o próprio, a “chave” do êxito que teve ao longo de uma carreira recheada com um título europeu de clubes, um terceiro lugar num Mundial e uma série “interminável” de prémios individuais e... de golos, muitos golos.
“Nunca tive medo de levar pancada. Só no joelho esquerdo, fui operado seis vezes ao menisco... mas nunca tive medo, porque sempre gostei de jogar”, revelou, em declarações à agência Lusa, o antigo jogador por ocasião do seu 50.º aniversário.
O cinquentenário serviu também para o clube do seu coração e no qual cumpriu quase toda a carreira (15 épocas de Benfica) o homenagear, com a colocação de uma estátua de bronze do jogador na zona do estádio, primeiro no antigo e hoje na nova Luz.
Longe vão os tempos da sua chegada a Lisboa, numa viagem repleta de secretismo – o Sporting concorria pelo jogador – e que significou o abandono do futebol amador moçambicano e o ingresso num Benfica colossal, que se preparava para conquistar a sua primeira Taça dos Campeões Europeus.
Depois dessa noite, o futebolista – face ao diferendo entre Benfica e Sporting – ainda teve que esperar alguns meses para se estrear pelos “encarnados”, a 23 de Maio de 1961, dando início a uma carreira de sucesso.
A sua chegada ao futebol foi muito polémica e faz parte dos anais do futebol: a actuar no Sporting de Lourenço Marques, filial do Sporting, era pretendido pelos “leões”, mas foi o Benfica que ganhou... uma “louca” corrida.
Para levarem a melhor, os dirigentes “encarnados” utilizaram mesmo um código nas suas comunicações telefónicas e telegráficas com Moçambique, de forma a despistarem os “leões”, referindo-se ao jogador através de um nome de mulher - Rute.
Parecia um “filme de espiões”: Eusébio foi levado num Volkswagen com matrícula do governo directamente para as escadas do avião “Super Constelation”, no qual foi o último a embarcar, sem que o seu nome tenha sequer feito parte da chamada dos passageiros.
Inconformado com o facto de verem Eusébio evoluir na Luz, o Sporting chegou mesmo a acusar os dirigentes rivais de terem raptado o jogador, mas Eusébio nega esta versão e garante que o Benfica ganhou por ter negociado com a sua mãe e o seu irmão.
“O Benfica estava à frente porque falou com a minha mãe e o meu irmão. O Sporting fala em rapto, mas eu nunca poderia aceitar ter sido raptado”, explicou Eusébio, que, depois de chegar a Lisboa, viveu durante quatro meses no “Lar do Jogador” do seu novo clube, isto depois de 10 dias no Algarve com o dirigente Domingos Claudino.
E seria só na época seguinte que a Europa se preparava para descobrir um dos mais importantes talentos da história do futebol, enquanto para trás ficavam as “peladinhas” com bolas de trapos e uma época (1959/60) ao serviço do Sporting da sua cidade, Lourenço Marques, actual Maputo.
A subida da “escadaria” da glória deu-lhe a alcunha de “Pantera Negra” e conduziu-o à conquista dos mais importantes troféus pessoais atribuídos a futebolistas, rivalizando em popularidade com “mitos” como o brasileiro Pelé, o alemão Franz Beckenbauer, o hispano-argentino Alfredo Di Stefano e o holandês Johan Cruyff.
Famosas ficaram as suas arrancadas demolidoras e os “petardos” desferidos de todos os ângulos e a qualquer distância da baliza, que ainda hoje levam muitos a falar de um “pontapé à Eusébio” para “adjectivar” um remate muito forte e colocado.
A entrada quase directa no “onze” titular de um Benfica campeão europeu, prevista pelo defesa Germano nos balneários logo após um dos primeiros treinos que Eusébio efectuou no “ninho das águias”, foi o começo de uma carreira sem par no panorama do futebol português.
O talento ímpar era constatado pelos colegas nos treinos e o capitão José Águas terá mesmo dito: “eu não sei, até posso ser eu, mas alguém tem que sair para ele jogar”, o que viria a acontecer, mas com o campeão europeu Santana.
O currículo de Eusébio é único: sete vezes melhor marcador do campeonato nacional (1963/64, 64/65, 65/66, 66/67, 67/68, 69/70 e 72/73), duas vezes o melhor marcador europeu (1967/68 e 72/73) e uma vez eleito melhor futebolista europeu.
Além disso, o “Pantera Negra” foi 11 vezes campeão nacional pelo Benfica - alinhando em 294 jogos, nos quais marcou 316 golos -, ganhou cinco Taças de Portugal, foi campeão europeu em 1961/62 e finalista da Taça dos Campeões em 1962/63 e 67/68.
A sua carreira ficou ainda marcada pela presença em 64 jogos da selecção nacional, pela qual se estreou em 8 de Outubro de 1961 com uma derrota no Luxemburgo (4-2) e pela participação em dois encontros da selecção mundial e 12 da selecção europeia.
No Mundial de 1966, em Inglaterra, Eusébio foi o grande responsável pelo terceiro lugar conquistado pela turma das “quinas”, ganhando o troféu destinado ao melhor marcador da prova, com nove golos, e sendo considerado o melhor jogador da competição.
A sua melhor exibição de sempre terá acontecido no jogo com a Coreia do Norte, dos quartos-de-final, quando Eusébio marcou quatro golos e levou Portugal ao “colo” para as meias-finais (5-3), isto depois dos asiáticos terem chegado rapidamente a... 3-0.
Encravado na sua carreira ficou uma frustrada transferência para Itália, apesar de o Benfica ter aceitado uma proposta de três milhões de dólares (então cerca de 90 mil contos) para vender o seu “passe” ao Inter de Milão... o ditador Oliveira Salazar considerou-o “património nacional”.
Condecorado pelo Governo português com os colares de Mérito Desportivo (1981) e de Honra ao Mérito Desportivo (1990), Eusébio recebeu também a “Águia de Ouro”, o mais alto galardão do Benfica, em 1982, enquanto a sua vida inspirou livros biográficos, filmes de longa-metragem e álbuns de banda desenhada.
Menos ortodoxa foi a homenagem prestada em 1990 por um grupo de rock de Manchester, Inglaterra, que adoptou como designação o nome de “Eusébio”, mais de 20 anos depois de o “Pantera Negra” ter “brilhado” a grande altura num Mundial... que merecia ter ganho. Jamais serão esquecidas as suas lágrimas após o Inglaterra-Portugal.
Actualmente no papel de embaixador da selecção e símbolo vivo do Benfica, Eusébio ultrapassou alguns problemas de saúde, primeiro em 2007 quando teve que ser operado à artéria carótida esquerda, para prevenir um eventual acidente vascular cerebral (AVC) e mais recentemente quando foi internado com uma pneumonia bilateral.
Em Dezembro último, o antigo jogador passou o Natal hospitalizado com pneumonia e já em Janeiro teve que regressar à unidade hospitalar, mas com um quadro clínico de cervicalgia, depois de se ter queixado de dores.


Fonte: PÚBLICO ONLINE

Notícia(s) do Dia: Nova vaga de excedentários na Função Pública arranca em Maio

Vou iniciar uma nova crónica neste espaço, que se destina à Notícia do dia. Esta rúbrica tem por finalidade dar a conhecer ao público a notícia ou notícias mais relevantes do dia, que poderá passar pelas diversas áreas da sociedade mundial em geral ou de Portugal em particular. Espero que seja do agrado de todos e agradeço os vossos estimados comentários a esta nova crónica, que tentarei que seja diária, pelo menos durante os dias da semana.






As listas de funcionários que forem considerados excedentários após a redução e reestruturação de organismos e serviços do Estado começam a ser elaboradas em Abril.
Os serviços e organismos do Estado começam a elaborar em Abril as listas de funcionários públicos considerados "a mais", na sequência da implementação do Plano de Redução e Melhoria da Administração Central do Estado (PREMAC) para que, no final de Maio, esses trabalhadores comecem então colocados em mobilidade especial, ou seja, em inactividade e com redução salarial. Os prazos constam de um documento que faz um balanço da aplicação do PREMAC e que foi solicitado pelo Diário Económico ao Ministério das Finanças.

Porém, ainda não é possível saber quantos funcionários públicos serão afectados pela redução e reestruturação de organismos e serviços públicos que está em curso. Isso só será possível depois da publicação dos 150 diplomas que irão definir a nova orgânica de cada serviço ou organismo do Estado em particular (microestruturas).

Este processo de aprovação das novas microestruturas deveria ter sido concluído até final do ano passado mas, até agora apenas foram aprovadas em Conselho de Ministros 69 de um total de 150 leis. O secretário de Estado da Administração Pública, Hélder Rosalino, explicou ao Diário Económico que o atraso deve-se à "complexidade inerente" a todo o processo e que a expectativa é de que todas as leis "estejam tecnicamente finalizadas até ao final de Fevereiro." O governante lembrou ainda a "dimensão" do PREMAC, um processo que prevê a extinção de 146 entidades e a eliminação de cerca de 1.700 dirigentes

Fonte: ECONÓMICO ONLINE

À Volta com a Economia:SÍNTESE ECONÓMICA DE CONJUNTURA-Dezembro de 2011



Procura Externa

O saldo das opiniões dos empresários da indústria transformadora sobre a carteira de encomendas externa diminuiu em Dezembro, prolongando o movimento negativo observado
desde Agosto. No entanto, considerando valores mensais, sem a utilização de médias móveis de três meses, observou-se uma recuperação destas opiniões em Dezembro. De acordo com os resultados preliminares do comércio internacional de bens, em termos nominais, as exportações desaceleraram ligeiramente em Novembro e as importações diminuíram mais intensamente em termos homólogos. As exportações nominais de bens apresentaram uma variação homóloga de 15,1% em Novembro, menos 0,3 p.p. que no mês anterior, suspendendo a aceleração observada no mês anterior. As importações nominais de bens passaram de uma taxa de variação homóloga de -0,8% em Outubro para -3,6% em
 Novembro. Contudo, não considerando médias móveis de três meses, as importações de bens apresentaram variações homólogas de -7,5% e -7,3% em Outubro e Novembro, respectivamente. A taxa de cobertura situou-se em 78,6% em Novembro, mais 12,8 p.p. que no período homólogo do ano anterior, em consequência do crescimento homólogo bastante elevado das exportações e da diminuição das importações. As exportações e importaçõesnominais de bens, com destino e origem na AE, respectivamente, registaram variações homólogas de 10,0% e -8,1% em Novembro (12,4% e -3,4% em Outubro, pela mesma ordem). De referir que as exportações extracomunitárias atingiram um crescimento homólogo de 28,0% em Novembro (23,0% em Outubro), sendo o mercado que apresentou a aceleração mais significativa nos últimos dois meses.


Fonte: INE

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

À Volta com a Economia:SÍNTESE ECONÓMICA DE CONJUNTURA-Dezembro de 2011



Investimento

O indicador de FBCF registou uma diminuição mais intensa em Novembro, fixando o mínimo histórico da série iniciada em 1995, na sequência do perfil descendente observado desde
Março. A evolução do indicador em Novembro deveu-se ao contributo negativo de todas as componentes, material de transporte, máquinas e equipamentos e construção, mais significativo no último caso. O indicador referente ao investimento em material de transporte voltou a diminuir em Novembro, retomando o forte movimento decrescente iniciado em Junho de 2010, em resultado da evolução mais negativa de todas as componentes, excepto das vendas de veículos comerciais ligeiros. As vendas de veículos pesados registaram variações homólogas de -37,5% e -44,8% em Novembro e Dezembro, respectivamente, retomando a acentuada trajectória negativa iniciada em Fevereiro. Por sua vez, as vendas de veículos comerciais ligeiros passaram de uma variação homóloga de -33,6% em Novembro para -20,9% em Dezembro, reforçando a recuperação observada no mês anterior. O indicador de investimento em máquinas e equipamentos, baseado nas opiniões dos empresários do comércio por grosso de bens de investimento, diminuiu em Dezembro, mantendo a tendência decrescente observada desde o final de 2007 e fixando um novo mínimo para a série iniciada em 1989. Em Dezembro, as apreciações sobre a actividade futura e as perspectivas de encomendas a fornecedores contribuíram negativamente para a evolução deste indicador, atingindo em ambos os casos o valor mais baixo das respectivas séries. O indicador relativo ao investimento em construção tem vindo a apresentar reduções mais expressivas desde Março, atingindo em Novembro o mínimo da série. Os licenciamentos de novas habitações e de novos fogos registaram reduções homólogas de 21,7% e 29,6% em Novembro (variações de -22,4% e -28,6% no mês anterior), respectivamente. É ainda de referir que o saldo das opiniões dos empresários da construção e obras públicas relativas à actividade corrente e à evolução da carteira de encomendas agravaram-se em Dezembro, atingindo o valor mais baixo das respectivas séries, na sequência das trajectórias negativas observadas desde Fevereiro e Setembro de 2010, respectivamente.

Fonte: INE

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

O Mundo que nos Rodeia: Então e a Verdade?

Então e a verdade?
por Pedro Marques Lopes

O homem que inúmeras vezes apareceu perante os portugueses exigindo que se falasse verdade não falou verdade. O homem que afirmou solenemente que quem o acusava de condutas menos próprias na condução de alguns negócios particulares teria de nascer dez vezes para ser mais sério do que ele não foi sério. Deliberadamente, escondeu uma parte do que ganha. E não foi sério quando disse que não sabia quanto seria o valor total das suas pensões.
O homem frontal, que faz gala de que a sua vida seja um livro aberto, omitiu. Omitiu ou disse uma meia-verdade, que como toda a gente sabe é sempre uma redonda mentira, quando, sem um pingo de vergonha, fingiu ter de livre e espontânea vontade prescindido do seu salário como Presidente da República. Todos nós sabemos que lhe estava vedado por lei acumular as suas pensões com esse salário. Decidiu omitir que a escolha que fez foi entre receber cerca de dez mil euros mensais das reformas ou aproximadamente sete mil de salário.
Mas estou disposto a, pelo menos, negar parte do que acabo de escrever e admitir que, de facto, além de tudo isso, Cavaco Silva não consegue pagar as suas despesas, que dez mil euros não chegam para cobrir os seus gastos. Nesse caso tinha-nos enganado quando nos fez crer que era um homem austero e prudente nos seus investimentos, avesso a gastos desnecessários, que utilizava mantinhas em sua casa para não desperdiçar dinheiro em aquecimento central e que tinha um padrão de vida pautado pela contenção e sobriedade. É que, convenhamos, ganhar os tais dez mil euros somados aos oitocentos da sua mulher (será?), não pagar refeições, gasolina, telefones e demais despesas correntes, como é direito de um presidente da República, e, mesmo assim, não lhe sobrar dinheiro, é próprio de um verdadeiro estroina que anda para aí a deitar dinheiro à rua. Temo pelos seus seiscentos e cinquenta e um mil euros que até agora poupou e ainda conserva em vários bancos. Bom, não é que já não tivéssemos indícios de alguma negligência na condição das suas finanças. Como todos nos recordamos, Cavaco Silva comprou e vendeu acções da SLN, mas não sabia como o negócio tinha sido feito nem do que teria auferido em mais-valias.
O homem que se reclama do povo, que veio do povo, que sente que o povo está a escutar a sua mensagem, não tem pejo em dizer que só à custa das suas poupanças consegue sobreviver. Pois, não sei a que povo se está a referir. O povo que eu conheço não se indignará com os rendimentos dele, são fruto do seu trabalho e com certeza fez por os merecer. Não gostará é, estou certo, de que brinquem com ele. Não apreciará que um homem rico, e Cavaco Silva pelos padrões portugueses é um homem rico, insinue que está a fazer os mesmos sacrifícios que o povo a que diz pertencer.
É que esse povo é constituído por mais de seiscentos mil desempregados, por um milhão e meio de pessoas que trazem para casa quinhentos euros por mês, por trabalhadores por conta de outrem que ganham em média oitocentos euros mensais.

Fonte: DN ONLINE

À Volta com a Economia:SÍNTESE ECONÓMICA DE CONJUNTURA-Dezembro de 2011



Consumo


O indicador quantitativo do consumo privado apresentou uma redução mais intensa em Novembro, prolongando a acentuada trajectória descendente observada desde Junho de 2010 e atingindo um novo mínimo histórico para a série iniciada em 1992. Este resultado deveu-se ao contributo negativo de ambas as componentes, consumo corrente e consumo duradouro. O indicador de consumo duradouro registou uma diminuição mais significativa em Novembro, retomando o movimento decrescente iniciado em Junho de 2010. Refira-se que as vendas de automóveis ligeiros de passageiros passaram de uma taxa de variação homóloga de -41,8% em Novembro para -51,9% em Dezembro, mantendo a forte trajectória descendente observada desde Abril de 2010 e fixando a taxa mais baixa da série iniciada em Março de 2003. No conjunto do ano de 2011, estas vendas apresentaram uma variação média de -31,4% (38,8%, em 2010). O indicador de consumo corrente também registou uma redução mais acentuada em Novembro, prolongando o perfil descendente iniciado em Junho em 2010 e atingido o valor mais baixo da série. As duas componentes, não alimentar e alimentar, contribuíram negativamente para a evolução do indicador de consumo corrente em Novembro, de forma mais intensa no primeiro caso. O indicador qualitativo do consumo, baseado nas opiniões dos empresários do comércio a retalho, voltou a diminuir em Dezembro, mantendo o forte movimento descendente registado desde Julho de 2010 e fixando o mínimo da série iniciada em 1989. No mesmo mês, o indicador de confiança dos consumidores registou um agravamento, prolongando a trajectória decrescente observada desde Novembro de 2009 e atingindo um novo mínimo histórico da série.

Fonte: INE

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

À Volta com a Economia:SÍNTESE ECONÓMICA DE CONJUNTURA-Dezembro de 2011




Actividade Económica

O indicador de clima económico voltou a agravar-se significativamente em Dezembro, mantendo o acentuado movimento descendente observado desde Outubro de 2010 e registando um novo mínimo histórico para a série iniciada em 1989. Todos os indicadores de confiança sectoriais diminuíram entre Outubro e Dezembro, atingindo os valores mais baixos das respectivas séries na construção e obras públicas, nos serviços e no comércio. No entanto, considerando valores mensais, sem a utilização de médias móveis de três meses, os indicadores de confiança da construção e obras públicas, dos serviços e do comércio aumentaram em Dezembro. O indicador de actividade económica registou um agravamento em Novembro, prolongando o perfil negativo iniciado em Setembro de 2010. Em Novembro, a informação proveniente dos Indicadores de Curto Prazo (ICP) revelou uma diminuição mais intensa da actividade económica na construção e nos serviços e um abrandamento na indústria transformadora. O índice de volume de negócios nos serviços passou de uma taxa de variação homóloga de -6,2% em Outubro para -8,4% em Novembro, retomando o perfil descendente iniciado em Julho de 2010. O índice de volume de negócios na indústria transformadora tem vindo a desacelerar desde
Março, registando um crescimento homólogo de 2,6% em Novembro, menos 1,6 p.p. que no mês anterior. Em Novembro, os agrupamentos de bens intermédios e de bens de consumo contribuíram negativamente para a evolução do índice total, sobretudo no primeiro caso. O índice de produção na indústria transformadora registou variações homólogas de -1,1% e -1,8% em Outubro e Novembro, respectivamente, retomando a trajectória negativa observada desde Abril de 2010. Em termos de grandes grupos industriais, a variação homóloga dos índices de bens de consumo e de bens intermédios diminuiu em Novembro. Note-se que, o índice relativo ao agrupamento de bens de investimento apresentou um crescimento homólogo de 18,7% em Novembro (mais 8,7 p.p. que no mês anterior), fixando a taxa mais elevada desde Junho de 1996. É ainda de assinalar que o saldo de respostas extremas (SRE) das opiniões dos empresários da indústria transformadora sobre a procura global diminuiu expressivamente entre Outubro e Dezembro, retomando o movimento descendente iniciado em Novembro de 2010. O índice de produção da construção registou uma redução homóloga mais intensa em Novembro, passando de uma taxa de -10,2% em Outubro para-11,6% e fixando a taxa mínima da série iniciada em 2001, na sequência do perfil negativo observado desde Março.

Fonte: INE

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

À Volta com a Economia:SÍNTESE ECONÓMICA DE CONJUNTURA-Dezembro de 2011



Em Dezembro, os indicadores de sentimento económico e de confiança dos consumidores diminuíram na Área Euro (AE) e na União Europeia (UE27). Em Portugal, o indicador de clima económico voltou a agravar-se em Dezembro, mantendo o acentuado movimento descendente iniciado em Outubro de 2010 e atingindo o mínimo da série. O indicador de actividade económica, disponível até Novembro, prolongou o perfil negativo observado desde Setembro de 2010. O indicador de consumo privado apresentou uma redução mais intensa em Novembro, reflectindo os contributos negativos do consumo corrente e do consumo duradouro. No mesmo mês, o indicador de FBCF registou uma diminuição mais expressiva, em resultado do contributo mais negativo de todas as componentes, mais significativa no caso da construção. Relativamente ao comércio internacional de bens, em termos nominais, as exportações e importações registaram variações homólogas de 15,1% e -3,6% em Novembro (15,4% e -0,8% no mês anterior), respectivamente. Em 2011, o Índice de Preços no Consumidor (IPC) registou uma taxa de variação média de 3,7% (1,4% em 2010). Este resultado terá traduzido o aumento bastante acentuado do preço dos produtos energéticos e a alteração da taxa do IVA a partir de Janeiro de 2011. As componentes de bens e de serviços registaram crescimentos respectivamente de 4,4% e 2,5% (1,7% e 1,0% em 2010). A variação média anual do Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) passou de 1,4% em 2010 para 3,6% em 2011, registando um diferencial face à AE de 0,9 p.p. (-0,2 p.p. no ano anterior).
Começamos com o enquadramento económico, até à conjuntura de preços, numa análise mais pormenorizada ao longo destes dias.

Enquadramento Externo

A informação qualitativa para a AE(Área Euro) e para a UE27 agravou-se em Dezembro. O indicador de confiança dos consumidores, disponível até Dezembro, tem vindo a diminuir desde Agosto na AE e na UE27, embora menos significativamente no último mês, contrariando o movimento ascendente dos meses anteriores. O indicador de sentimento económico agravou-se entre Abril e Dezembro na AE e na UE27, mas de forma ténue no último mês. O saldo das opiniões dos empresários da indústria transformadora dos principais países clientes da economia portuguesa sobre a evolução da sua carteira de encomendas prolongou em Dezembro o perfil negativo observado desde Maio. Por sua vez, o índice de produção industrial destes países desacelerou em Outubro, passando de um crescimento homólogo de 3,0% em Agosto e Setembro para 1,9%, retomando a trajectória decrescente iniciada em Julho de 2010. O índice cambial efectivo da AE registou uma variação em cadeia de -1,9% em Dezembro (-0,8% em Novembro). Em termos homólogos, este índice apresentou uma depreciação de 1,5% em Dezembro, menos expressiva em 0,6 p.p. que a observada no mês anterior. Em Dezembro, o euro depreciou-se 0,3% em termos homólogos face ao dólar (depreciação de 0,8% em Novembro) e 2,8% em cadeia (depreciação de 1,1% no mês anterior). No mesmo mês, face ao iene, o euro apresentou variações de -6,9% em termos homólogos e de -2,4% em cadeia (-6,8% e 0,0% em Novembro, respectivamente). Em Dezembro, o euro registou ainda uma depreciação face à libra de 0,5% em termos homólogos (apreciação de 0,3% em Novembro) e de 1,6% em cadeia (depreciação de 1,5% no mês anterior). O índice de preços de matérias-primas, denominados em dólares, do The Economist, apresentou uma redução homóloga de 8,2% em Dezembro (variação de 1,8% no mês anterior), prolongando o acentuado perfil descendente observado desde Maio, após registar a taxa máxima da série em Abril (42,9%). A variação em cadeia deste índice passou de -1,2% em Novembro para -3,1% em Dezembro. Em 2011, este índice apresentou uma variação média de 22,5% (24,5% em 2010). O preço do petróleo (Brent), medido em euros, desacelerou em Dezembro, registando uma variação homóloga de 26,4%, menos 6,6 p.p. que em Novembro. No mesmo mês, a respectiva variação em cadeia foi 0,2% (2,2% no mês anterior). No conjunto do ano de 2011, o preço do petróleo registou uma variação média de 32,5%, menos 4,9 p.p. que em 2010. O índice de preços na produção industrial dos principais países fornecedores apresentou um crescimento homólogo de 5,5% em Novembro, menos 0,3 p.p. que o observado no mês anterior, prolongando o perfil de desaceleração iniciado em Maio. Em 2011, a taxa de variação média anual do IHPC na AE foi 2,7% (1,6% em 2010). Mensalmente, a variação homóloga do IHPC passou de 3,0% entre Setembro e Novembro para 2,8% em Dezembro. Nos EUA, o IPC registou uma variação homóloga de 3,4% em Novembro (3,6% em Outubro), mantendo o movimento descendente do mês anterior. No Japão, a taxa de variação homóloga do IPC situou-se em -0,5% em Novembro (-0,2% em Outubro). A taxa de desemprego, ajustada de efeitos sazonais e disponível até Novembro, estabilizou em 10,3% na AE e em 9,8% pelo segundo mês consecutivo na UE27. Na UE27, esta taxa atingiu o máximo da série iniciada em 1998 e na AE o máximo desde Junho de 1998. Nos EUA, a taxa de desemprego fixou-se em 8,5% em Dezembro (8,7% em Novembro), atingindo o valor mais baixo desde Fevereiro de 2009. Em 2011, a taxa de desemprego nos EUA situou-se em 9,0% (9,6% no ano anterior). No Japão, esta taxa passou de 4,1% em Setembro, para 4,5% em Outubro e Novembro.



Fonte: INE

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Livros que merecem ser lidos...


A. Sedas Nunes, foi um dos pais da Sociologia em Portugal, com publicações anteriores ao 25 de Abril de 1974, o que demonstra toda a sua genealidade para escrever sobre temas "proibidos" pelo então governo facista e ditatorial existente em Portugal. A primeira edição do livro Questões Preliminares sobre as Ciências Sociais, data de 1971 e vai em mais de 10 edições, sendo um manual de enorme importância para o estudo da Sociologia em Portugal, e do desenvolvimento dos estudos sociais.
Publicado pela Editorial Presença, tem 135 páginas, e enquadra-se numa colecção denominada Universidade Hoje.
Diz o autor na contracapa, "A Ciência Social só existe por hora em estado fragmentário (em 1971). Perante a unidade da realidade social, existe de facto uma pluralidade de Ciências Sociais, cujas interconexões são fracas e largamente sobrelevadas pela sua disjunção. Por outro lado, estas Ciências são internamente conflituais, aparecendo divididas em «correntes teóricas» acentuadamente divergentes. No presente estudo são debatidos alguns problemas de epistemologia e de pragmática da Ciência, suscitados por estes dois aspectos da situação das Ciências Sociais. Na Conclusão, sublinha-se a necessidade de uma atitude crítica ante o trabalho e o produto dos investigadores sociais:".


QUESTÕES PRELIMINARES SOBRE AS CIÊNCIAS SOCIAIS
A. Sedas Nunes

Í N D I C E

1ª PARTE

A Unidade do Social e a Pluralidade das Ciências Sociais

1. Introdução à Unidade do Social

2. A Pluralidade das Ciências Sociais
    2.1 Princípios lógicos de diferenciação empírica das ciências sociais
    2.2 A diferenciação empírica das ciências sociais, como produto histórico

3. As Ciências Sociais como Conhecimento e como Actividade ou Prática Social
    3.1 A ciência como produto e como sistema de produção
    3.2 Cada ciência social produz o seu próprio objecto científico

4. Nas Ciências Sociais Nomotéticas, todo o Conhecimento é Abstracção e Construção

2ª PARTE

A Conflitualidade Interna das Ciências Sociais

1. Introdução: Um exemplo

2. Algumas Coordenadas do Problema
    2.1 O subdesenvolvimento científico e a pobreza das ciências sociais, como circunstância propiciatória da formação de correntes teóricas discrepantes
    2.2 A diversidade das estruturas sociais nos diferentes países: incidências nas orientações teóricas da produção coentífica
    2.3 A diversidade dos «universos de pensamento» em função dos quais as teorias são elaboradas
     2.4 Limitações teóricas da produção científica resultantes de «à priori» epistemológicos
    2.5 Limitações teóricas da produção científica decorrentes da «consciência possível» de uma classe social

3. As Ciências Sociais e a «Consciência Possível» das Classes Dominantes
    3.1 Fundamentação, relativamente às classes dominantes, do conceito de «máximo de consciência possível»
     3.2 O problemas das relações entre a produção científica nas ciências sociais e a «consciência possível» das classes dominantes
     3.3 Objectividade, enviesamento e desconhecimento na produção científica vinculada à «consciência possível» das classes dominantes

4. Conflitos Científicos e Conflitos Ideológicos
    4.1 A simbiose científico-ideológica nas ciências sociais
    4.2 O fim da identidade «ideologia - falsa consciência»
    4.3 A ideologia na génese do produto científico
    4.4 Conteúdos científicos e conteúdos ideológicos nas ciências sociais

5. Remate Provisório: Um Novo Problema em Aberto

Conclusão

Bibliografia Citada

Índice dos Autores

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

O Mundo que nos Rodeia: Fidalgos, Queques e Betinhos



Miguel Esteves Cardoso – Fidalgos, queques e betinhos!

Os Portugueses têm algo de figadal contra todos os que tenham algo de fidalgal. Como as crianças, confundem muito a fidalguia, que é uma simples condição social, com a aristocracia, que é um sistema político em que o poder pertence aos nobres. E, no entanto, como diria Chesterton, não há mérito automático em ser fidalgo, nem vergonha em pertencer decididamente (como eu) à ralé.
Em Portugal a nossa civilização deve muito a duas classes minoritárias. Ambas são gente simples, com posses reduzidas e educação informal. Refiro-me, obviamente, à plebe e à nobreza. O pretensiosismo dominante, seja proletário ou possidónio, seja triunfalista ou disfarçado, encontra-se nas classes restantes, que constituem a grande maioria da população. Mas um pastor ou um pescador é tão senhor como um fidalgo. Como ele, vê o mundo de uma maneira antiga, em que cada coisa tem o seu lugar, o seu sentido e o seu valor. O pior é o operariado, a pequena, média e alta burguesia: enfim, quase toda a gente. É esta gente que se preocupa com a classe a que pertence. Enquanto o pastor e o visconde se ocupam, os outros preocupam-se. Os primeiros não querem ser o que não são. Os outros adorariam. Os primeiros aceitam o que são, sem vaidade. Os outros têm sempre um bocadinho de vergonha e por isso disfarçam, parecendo vaidosos.
Quem é fidalgo e quem é que quer ser?
Em Portugal existem três classes distintas. Há a classe dos fidalgos – os meninos “bem”. E depois há duas classes falsamente afidalgadas. Há os meninos “queques”, filhos de pais “queques” mas com avós que não. E há os “betinhos”, filhos de pais que, simplesmente, não.
O “menino bem” é aquele que não sabe muito bem em que século começou a fortuna da família. Geralmente é pobre, com a consolação irritante do passado rico. É muito bem-educado e jamais se lembraria de lembrar aos outros que é “bem”. O “queque” sabe perfeitamente que foi o avô ou o bisavô que abriu a fábrica ou a loja que enriqueceu a família. Geralmente é bastante rico. Embora tenha frequentado os colégios correctos, tem sempre um enorme complexo de inferioridade em relação aos “meninos bem”, o que o leva a fazer-se mais do que é. De bom grado trocaria grande parte da sua fortuna pela antiguidade e pelo prestígio de um bom título.
Finalmente, o “betinho” é aquele cujo pai nasceu pobre, indesmentivelmente operário. O betinho procura dar-se, em vão, com queques e meninos bem, mas a sua educação é formal e institucional, não familiar. É o mais rico de todos, mas é também o mais envergonhado. O betinho por excelência é aquele que não suporta a vergonha de um pai nascido entre o povaréu. Evita apresentá-lo aos amigos. Tudo faz para ocultar a sua proximidade genealógica ao vulgacho.
Tanto o queque como o betinho são o resultado de self-made man, homens que se levantaram pelas próprias mãos, quantas vezes rudes e calejadas e tudo o mais. O menino bem, em contrapartida, nem sequer compreende o conceito de self-made man. Porque é que um homem se há-de “fazer a si próprio” quando houve sempre pessoal, criados e caseiros, para se ocupar dessas tarefas desagradáveis?
Distinguem-se em tudo. A falar, por exemplo. O menino bem usa todas as formas de tratamento, desde “a menina” – A menina vai levar o Jorge ou vai sozinha no Volvo? – até ao “Psst, tu que fumas”.
O queque, por ser menos seguro, trata toda a gente por “Você”, incluindo os criados e as crianças (o que não é correcto, mas parece). O betinho, a esse respeito, está em absoluta autogestão. Tenta tratar mal aqueles que considera inferiores (demasiado mal) e bem aqueles que considera superiores (demasiado bem). No fundo é um labrego engraxado que julga sinal de aristocracia dizer os erres como se fossem guês.
O que caracteriza o menino bem é o seu total à vontade no mundo. Nunca se enerva, nunca hesita, nunca está muito preocupado. Haja ou não dinheiro. O menino bem dá-se bem com a pobreza e encara o sobe e desce da sorte com a naturalidade com que aceita a circulação do sangue pelas veias. Por isso dá-se bem com toda a gente. Nada tem a perder ou a ganhar.
Os queques não são assim. Pensam que nasceram para o brilho baço do privilégio. Vivem obcecados pelo dinheiro já que é o dinheiro que lhes permite comprar todos aqueles adereços (relógios Rolex, automóveis Porsche) que consideram indispensáveis ao seu estatuto social. Um menino bem, em contrapartida, nunca usa relógio – porque é que há-de querer saber as horas? O queque só se dá com pessoas “do seu meio”. Enquanto o menino bem tem aquele rapport feudal com caseiros, varinas e pedreiros, que constitui uma forma multissecular de intimidade, o queque aflige-se em “manter as distâncias” com esse gentião, precisamente por serem tão curtas.
O betinho é uma pilha de nervos. Ninguém o respeita. Dá-se quase exclusivamente com outros betinhos, do mesmo ramo de importação de electrodomésticos ou da construção civil. Não gostam de sair da sua zona. Os de Lisboa, por exemplo, só quando há uma emergência é que saem do Restelo. Ao contrário dos queques, evitam falar em dinheiro porque se sentem comprometidos. Esforçam-se mais por serem meninos bem do que os queques, que julgam já serem meninos bem. Andam sempre vestidos pelas lojas mais tradicionais (camisa aos quadradinhos, casaquinho de malha, jeans novinhos e mocassins pretos com correiazinha de prata ou berloques de cabedal), ao passo que os queques compram roupa mais moderna na boutique da moda. Escusado será dizer que os autênticos meninos bem andam sempre mal vestidos, com a camisola velha do pai e as calças coçadas do irmão mais velho. A única diferença é que as camisolas e as calças que têm em casa duram cem anos. Os avós já compram camisas a pensar que hão-de servir aos netos. Aliás, os fidalgos são sempre mais forretas que a escória.
No que toca aos hábitos alimentares, os meninos bem comem sempre em casa. Como as famílias são geralmente muito grandes (de resto, como sucede com o populacho), a comida é quase sempre do tipo rancho, ou sempre servida com muito puré de batata.
Os queques estão sempre a almoçar e a jantar fora, em grupos grandes com muitos rapazes e raparigas a exclamar: “Ai, já não há pachorra para o quiche lorraine!” Aqui se denunciam as suas verdadeiras origens sociais. Para um menino bem, comer fora é uma espécie de solução de emergência, quando não dá jeito comer em casa. Para um queque é um prazer.
Nas casas bem, a qualquer hora do dia, há sempre uma refeição a ser servida a um número altamente variável de crianças, primos, criadas, motoristas, tias, etc.
Nas casas queques as refeições variam conforme os convidados. Nas bem são sempre rigorosamente iguais. Os queques têm a mania dos restaurantes – conhecem-nos tão bem como os meninos bem conhecem (e odeiam) as cozinheiras. E os betinhos? Os betinhos tentam evitar as refeições o mais possível. Comem sozinhos em casa (os betinhos tendem a ser filhos únicos) ou levam betinhas a jantar. Porquê? Porque têm a paranóia de serem “descobertos” através dos modos de estar à mesa. Mas, na verdade, só são descobertos pelo seu excesso de boas maneiras. Um betinho à mesa está sempre “rijo”, atento, receoso de tirar uma azeitona por causa do terror de não saber lidar com o caroço. Os queques comportam-se como animais, espetando garfos nas mãos estendidas dos outros, soprando pela palhinha para fazer bolinhas no Sprite e atirando os caroços para martirizar o cocker spaniel. Quanto aos meninos bem, encaram as refeições como uma simples necessidade fisiológica. Comem e calam-se. Falam só para dizer “passa a manteiga” ou “Parece que houve uma revolução popular em Lisboa, passa a manteiga”.
Não são, portanto, os fidalgos que dão mau nome à fidalguia – são os queques e betinhos. Estes cultivam ridiculamente os “brasões” e as “quintas”, fingindo que não gostam de falar nisso. Em contrapartida, nas casas fidalgas, os filhos das criadas experimentam os lápis de cera nos retratos a óleo dos antepassados. E ninguém liga…



In “Os meus Problemas”
Miguel Esteves Cardoso

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

O Mundo que nos Rodeia: BACK IN TIME: A APP PORTUGUESA QUE LIDEROU VENDAS NO iPOD EM 38 PAÍSES




BACK IN TIME: A APP PORTUGUESA QUE LIDEROU VENDAS NO iPAD EM 38 PAÍSES


Foi considerada pelo The New York Times uma das 10 aplicações do ano para iPad. Desde que foi lançada, em Setembro, esteve na liderança do top de vendas de livros para a plataforma em 38 países e mantém o primeiro lugar de vendas nos Estados Unidos há 6 dias consecutivos. Back in Time é o nome da aplicação que nos últimos meses fez este percurso. O desenvolvimento é português e a empresa que o conduziu é a Landka, do Porto.
Como explica ao TeK Susana Landolt, diretora-geral, as boas notícias relativamente ao acolhimento do primeiro projeto da Landka não ficam por aqui. Logo após o lançamento da aplicação, a Apple deu-lhe lugar na página principal da iTunes App Store em mais de 100 países, uma ajuda importante para divulgar a proposta portuguesa. Na China, a dona do iPad, destinatário da primeira versão de Back in Time, proporcionou outra distinção à empresa portuguesa e considerou a aplicação App of the week, para iPad e iPhone.
Back in Time é um livro interativo, multimédia, que permite viajar no tempo e explorar a história da Terra, do Universo, da Vida e da Civilização, como descreve a empresa no site. A aplicação nasceu para iPad, em setembro, e em dezembro ganhou uma versão para iPhone. Custa 5,99 euros.
Susana Landolt admite que a prazo esta estreia da empresa no mundo das aplicações para dispositivos móveis possa estender-se a outras plataformas.
"Para além do iOS, a equipa tem vindo a observar atentamente o mercado do Android e do Windows mobile e não afasta a possibilidade de vir a desenvolver para estas plataformas, sendo no entanto a Apple a plataforma de eleição", detalha a responsável.
Contudo, e desde que a empresa foi criada em outubro de 2010, os esforços estiveram dirigidos ao desenvolvimento do projeto Back in Time, que demorou 10 meses a ficar pronto e contou com um investimento significativo, que a empresa não revela, adiantando apenas que ainda está por rentabilizar. "Posso adiantar-lhe que o investimento para criar esta aplicação foi considerável e como tal ainda está longe de estar compensado". Quando foi lançado começou o redesenho da aplicação para iPhone, que consumiu mais dois meses.
O desenvolvimento deste primeiro projeto envolveu programadores, engenheiros e designers. A equipa constituída por 5 pessoas já está a trabalhar em novos projetos, que ainda não quer revelar…
Susana Landolt adianta, no entanto, que embora a empresa no futuro possa vir a apostar em outros formatos (para além dos ebooks) "este formato que dominamos e em que queremos trabalhar".
No que se refere às áreas temáticas, o conhecimento/divulgação cientifica, onde se insere o projeto Back in Time, é uma área de referência, mas a empresa admite que gostaria de explorar outras.

Fonte: tek.sapo.pt

O Mundo que nos Rodeia: MANUELA FERREIRA LEITE PROPÔS "O ABANDONO DOS VELHOS À SUA SORTE"


FERREIRA LEITE PROPÔS "O ABANDONO DOS VELHOS À SUA SORTE"

Augusto Santos Silva, o ex-ministro de Sócrates mostrou-se chocado com as declarações da antiga ministra das Finanças e acusa Ferreira Leite de estar a propôr "o abandono dos velhos à sua sorte".

Santos Silva mostra-se incrédulo: "Tive que ouvir com os meus próprios ouvidos. Ouvi, é mesmo isso que a senhora diz: os doentes com mais de 70 anos devem pagar a hemodiálise".

Para o socialista "deve olhar-se para estas declarações como o que elas também são: a expressão, com a crueza, a tacanhez e a incapacidade verbal que caracterizam a Drª Ferreira Leite, de um pensamento político que põe em causa os fundamentos do Estado-Providência e da sua lógica de socialização dos riscos e de atribuição de uma função de cuidado por todos ao Estado democrático".

Manuela Ferreira Leite sugeriu ontem à noite, na Sic Notícias, que os doentes com mais de 70 anos que precisem de hemodiálise devem pagar os tratamentos.

Questionada sobre o tema durante um debate, a social-democrata disse que não é possível continuar com o serviço de saúde universal e gratuito atendendo à situação do país e da Europa.

Fonte: Económico ONLINE

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

O Mundo que nos Rodeia: O Balanço - Blog Faz um ano ao serviço de todos.


José Alexandre Barata
Blog faz um ano - Balanço

Após um ano ao serviço de todos, não queria deixar passar em claro este momento, sem que fizesse um balanço das publicações e um resumo do que aconteceu ao longo destes 365 dias.
Em termos de publicações, o meu objectivo foi desenvovler com base em crónicas com nomes pré-definidos, algumas temáticas que fazem parte do meu conhecimento, por um lado, e de informação e curiosidades por outro. É evidente que ao longo deste ano, fundamentei e desenvolvi algumas temáticas com mais afinco, até porque fazem parte das minhas paixões. Quis com este Blog, por um lado recordar algumas personagens do passado, já desaparecidas mas sempre recordadas, em áreas como Desporto, Música, Política, Cinema e Poesia. Quis por outro lado, distinguir o "nosso" grande poeta, Fernando Pessoa, falar do Mundo que nos Rodeia e da minha tese de Licenciatura em Sociologia. Nesta mesma área, distingui, alguns dos chamados "pais" da Sociologia, e também dos "nossos" sociólogos, portugueses e investigadores sociais. Também criei uma crónica dos Livros que merecem ser lidos. Em resumo, elaborei 205 postagens, a saber:
  • A Minha Tese:  24 publicações
  • À Volta com a Vida: 4 publicações
  • À Volta com os Pensamentos: 7 publicações
  • Momentos da Vida: 12 publicações
  • Às Voltas com a Memória: 44 publicações
  • O Poeta é um Fingidor: 24 publicações
  • A minha primeira obra: 1 publicação
  • Aos amigos: 1 publicação
  • Como Nasceu a Sociologia em Portugal: 3 publicações
  • O Poeta de todos os tempos: 1 publicação
  • Os "pais" da Sociologia: 18 publicações
  • Livros que merecem ser lidos: 10 publicações
  • O Mundo que nos Rodeia: 41 publicações
  • Os "nossos" Sociólogos: 13 publicações
  • Às voltas com a Sociologia: 3 publicações
  • Às voltas com a Economia: 1 publicação

Objectivos futuros:

Para o próximo ano, irei fazer algumas alterações ao visual do Blog, para o tornar mais atractivo, bem como, "deixar cair" algumas crónicas, que ao longo do ano tiverem menos publicações e como tal não fazem sentido a sua existência. Por outro lado, irei solidificar algumas que considero de grande importância e desenvolver novas crónicas, que me parecem curiosas e informativas para todos os cidadãos.
Penso também desenvolver uma área para Comentários, de forma a receber o feed-back de todos os leitores e interessados, para que o Blog possa ser melhorado ao longo do ano e finalmente é meu desejo ultrapassar o número de publicações, aumentar o número de seguidores e desenvolver um pouco mais as áreas académicas de meu interesse: Sociologia e Economia.